Vincent Van Goh, Cartas a Théo

Jo van Gogh-Bonger foi esposa de Théo van Gogh. Além de redigir uma biografia formidável de Vincent van Gogh, Jo também guardou as cartas do pintor ao irmão. Penso que a melhor maneira de conhecer Vincent van Gogh é através do que ele mesmo disse para quem ele muito amou. Abaixo estão algumas frases retiradas das “Cartas a Théo”, publicadas no Brasil pela L&PM POCKET, ilustradas com reproduções de imagens do pintor. Espero que sirvam de estímulo para conhecer melhor e mais fundo a vida de um dos artistas mais extraordinários de toda a história da arte.

Slide01

.

Slide02

.

Slide03

.

Slide04

.

Slide05

.

Slide06

.

Slide07

.

Slide08

.

Slide09

.

Slide10

,

Boa semana para todos!

.

Nota:

Ao longo do mês de março publicarei alguns textos ou parte de textos de poetas, escritores, compositores e dramaturgos que foram essenciais na minha formação. Quero dividir com os leitores deste blog trechos preciosos que, bom enfatizar, nunca é demais divulgar.

ELIPSE (Abecedário do Vava)

Αcalanto para o mundo,

Coro à capela, 59 velas acesas.

Graças, bom Deus, pela minha vida.

 Boa Vista, Bela Vista.

Nasci no Boa, na Bela moro.

Vista. Nem bela, nem boa: uso óculos.

Confiança e carinho

Meus pais, meus irmãos…

Afeto pouco é bobagem.

 Desafio: Desvelem-me!

Nem sei quem sou.

Faço-me em palavras e constato:

São só palavras.

Entreatos alegres,

Entreatos dolorosos

E a vida segue seu curso,

Feiticeiros nada transformam.

Cartas escondem causas, motivos.

E as mãos, calejadas, emitem sinais obscenos.

gemeos

 – Help!

E os Beatles repetiam: – Heeeeeelp!

Não entendia patavina.

Sabe-se lá de onde vem – e fica – a paixão.

“When I was Young…”

Íntimo; o ser com quem falo.

Uma voz jamais exteriorizada

Muitas, muitas intenções!

Tai o porquê de infernos.

Jaculatória para Aurora,

Joãozim, Bino e Donei…

Por todos os que se foram!

Pelo-sinal, guarde-os. Amém.

Kitchenette

Onde ganhei um joanete

Enquanto mascava chiclete…

Liberdade,

Minha quimera desfeita

Neste abecedário de carcereiros.

Mineiro, basta-me um queijo

A voz de Milton, os fantasmas de Ouro Preto

Os versos de Drummond, o céu de Uberaba

Os sertões de Rosa… muitos doces.

Tudinho dentro de casa, em São Paulo.

Nonato, São Raimundo.

Sol escaldante queima mágoas

Espinhos dispersos no pó da caatinga.

Ofício meu, depende da época.

Aos 59, não sei o que serei

Quando crescer.

Perdão!

Quem você levaria para uma ilha deserta?

– Parceiro de pipoca, poesia

E música!

Querelle, quo vadis?

Ao quarup? Fazer o que?

Quintuplicar quiosques com “q”?

Leve quibes e quiabos!

Ranzinza precoce, ranheta.

Tem cura? O humor compensa?

Também, guardo lembrança de radionovelas…

Sonho sempre; tenho saudade.

Manga no pé, uma sabiá

“Sei que ainda vou voltar…”

Titular, na nossa casa

É banana no prato

Fritinha da silva.

Uberaba dos casarões da praça

Córregos a céu aberto, charretes na Mogiana

Reinações no Boa Vista.

Tempo e espaço perdidos

Sonhos guardados.

Vadio, Vadinho, vagabundo

Vagar no mundo sem W. Vava!

Qual nada! Trabalho feito uma besta.

Xereta, xexelento, até xucro!

Um tanto xenófobo

Raramente xambregado.

Autorretrato xixilado…

Yang quando não yin

Prefiro yellows em Van Gogh

Digerindo Yakisoba.

Zabumba na cartilha

Bino feito a giz na calçada.

Minhas primeiras escritas.

D. Zilda: “A” na lousa

Abençoada seja!

.

Os Impressionistas em São Paulo

Muito bom morar em uma cidade como São Paulo: a cidade que recebe Caravaggio no MASP também expõe 85 quadros impressionistas, vindos diretamente de Paris. A mostra, denominada Impressionismo: Paris e a Modernidade – Obras-Primas do Museu d’Orsay está no Centro Cultural Banco do Brasil, no centro da cidade.

“Impression soleil levant” (1872) o quadro de Monet que dá nome ao movimento

O Impressionismo é apaixonante e pede aprofundamentos diferenciados conforme o artista, a obra. Monet é um artista peculiar, próximo e distante de Cezanne. Gauguin, presente na história de vida de Van Gogh tem particularidades próprias que o tornam totalmente diferente do amigo. Renoir deixou pinturas memoráveis, feitas ao ar livre, enquanto Degas pintou o interior de teatros, o palco visto de dentro.

A grande exposição em São Paulo pode ser vista pelo jovem estudioso de arte, sequioso de ver de perto aquilo que conhece por reproduções gráficas. Também pode ser apreciada por aquele cidadão que nunca estudou arte e nem sabe o motivo de um movimento ser dito impressionista. As obras falam por si, conquistam pela qualidade técnica, pelas diferentes acepções de beleza formando, no todo, um grande tratado estético.

O Impressionismo: Diferentes formas de olhar, de perceber e captar o objeto.

O Impressionismo encerra um momento peculiar da arte no final do século XIX, sendo antecedente fundamental de toda a pintura do século XX. Uma fase que implica em quebra de padrões tradicionais, abandono de convenções em favor da liberdade de expressão e de pesquisa formal. Muitos fatores contribuíram para as mudanças que explodem com o Impressionismo. A busca por captar um instante, uma impressão observada propiciará manifestações individuais e há, nesse curto período de tempo, grandes e profundas divisões.

A exposição no CCBB apresenta três gerações distintas do movimento francês; os impressionistas, como Manet, Monet, Renoir e Cézanne; os pós-impressionistas, como Van Gogh e Gauguin, e os Nabis (profetas), com obras de artistas como Pierre Bonnard e Edouard Vuillard. Estão dispostos em quatro andares do Centro Cultural e carecem, basicamente, de mais do que uma hora de apreciação, mais que uma única visita para contato eficaz. Duas justificativas básicas:

O trabalho de Paul Cézanne busca captar formas, de sintetizá-las, expressá-las por ângulos diversos. Ele é antecedente direto da grande arte que faria de Pablo Picasso um dos maiores gênios da pintura no século XX. Não é com um olhar “de quem passeia pelo shopping” que esse artista será percebido em sua totalidade. Cézanne merece um olhar reflexivo, um tempo que é investimento para que possamos entender melhor o Cubismo de Braque e Picasso.

Cézanne – ‘Rochers près des grottes audessus de Château-Noir’ 1904.

Claude Monet é o impressionista por excelência. Sua obra é síntese do movimento. Nela, percebemos que o artista impressionista realiza uma “operação primária”, justapondo pinceladas em complexa tarefa de misturas de cores “puras”. Essas misturas resultam em novas cores conforme a intenção e necessidade do artista em captar um local, uma situação, um personagem. A obra se completa com outra operação, esta a cargo do espectador.  Ao observar a mistura ótica, dos fragmentos elaborados pelo artista, o espectador completa o resultado visualizando a imagem proposta. Esse é o grande diferencial da arte impressionista: o receptor participa da obra finalizando-a através da observação.

Tal qual no filme famoso, gostaria de ser vigia do CCBB. Poderia ver sozinho e tranquilamente esses 85 trabalhos. E da distância que quisesse. Porque os quadros impressionistas têm essa característica: devem ser vistos de uma distância razoável; três vezes a medida maior do quadro, dizem os especialistas. Assim, se um quadro tiver 1m de largura, o ideal é observá-lo a 3m de distância. Com tanta gente nos corredores do CCBB, terá muita sorte quem conseguir ver as telas conforme ensinam os nossos mestres.

Fico empolgado com esse tema; também com a oportunidade de contar com um evento que é de grande estímulo para que conheçamos mais, pesquisemos mais. A riqueza impressionista é imensa; é o grande ponto de partida para outros momentos, fortes, intensos e encantadores. Deixei de citar alguns fatos históricos, alguns artistas. Outras oportunidades virão; por enquanto importa ver, rever, descobrir, conhecer através das telas o que nos emociona, o que provoca admiração.

.

Bom final de semana!

.

Anote: Impressionismo: Paris e a Modernidade – Obras-Primas do Museu d’Orsay; Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, Centro. De 4 de agosto a 7 de outubro. De terça-feira a domingo, das 10h às 22h. Entrada: Gratuita.

.

As linhas em Modigliani

Amedeo Modigliani está em São Paulo. No MASP. Italiano que fez parte da Escola de Paris, morto precocemente aos 36 anos em consequência de uma tuberculose. Diz a lenda, que foram essas as últimas palavras do artista: “Cara, cara Itália”. Pode ser mentira, mas cabe perfeitamente no espírito romântico à Lord Byron que permeia a vida de Modigliani.

Bebidas, mulheres, errante… palavras frequentes na biografia do pintor, escultor que, de origem abastada, conheceu a miséria da vida em Paris, vendendo desenhos por um copo de bebida. A obra de Modigliani é perceptível e única entre seus pares; suas personagens apresentam pescoços alongados em um traço distinto, que aqui chamo a atenção: as linhas de Modigliani.

Fortes, delicadas, grossas, finas, espessas, tênues… Nas linhas expressivas Modigliani mantém a tradição toscana  (Nascido em Livorno, passou por academias de Florença e Veneza) que, na visão dos críticos de arte são melodiosas, flexíveis. O grafismo de Modigliani é único com linhas que podem ser caracterizadas ainda mais: secas, elegantes, frágeis.

As linhas são o caminho vital, em Modigliani, para o domínio da forma. Vivendo entre os Cubistas, foi dono de um expressionismo que deforma em função de composições que mexem com o observador. Somos inclinados a acompanhar as linhas do artista e essas inclinam cabeças, alongam membros, tornando olhares vazios ou melancólicos; e as bocas, e os seios, os nus em Modigliani são vulneráveis, inocentes, desprendidos.

Como Tolouse-Lautrec, como Van Gogh, Modigliani preferiu gente simples como modelo para suas criações. Nessas escolhas – moças humildes, crianças frágeis – o olhar atento sobre a vida, as diferenças entre os homens, o sentimento humanitário frequentemente disfarçado em cinismo.

Artistas como Modigliani ficam distantes – em vida – do sistema que comercializa obras, tornando alguns muito ricos. É mais fácil encontrá-los em Montmartre, convivendo com boêmios, deserdados, embriagados, miseráveis. Por trilhar um caminho próprio vai ter uma única exposição que no dia da abertura foi fechada pela polícia. Os 33 nus que Modigliani expôs em 1917 escandalizaram Paris. O pintor faleceu em 1920, sem outra chance de mostrar oficialmente seu trabalho.

No MASP estão as linhas que o Modigliani traçou pelo espaço em formas únicas, tons quentes, indicando intimidade. Além das pinturas há desenhos e esculturas, permitindo aos visitantes uma visão maior de todo o trabalho do artista. O museu recebe visitantes de terça a domingo, das 11h00 às 18h00 e vai até o dia 15 de julho. Informações complementares pelo telefone 011 -3251 5644.

.

Bom final de semana!

.

%d blogueiros gostam disto: