Provocou o acidente e fugiu

O gesto que faltou

Estava pensando em escrever algo para lembrar o dia dos namorados quando, ao acompanhar minha irmã, sobrinha e cunhado ao portão de casa, houve um acidente feio.  Testemunhamos o momento em que um carro, dirigido por um jovem, acompanhado de outros jovens, sob um som altíssimo, fazendo uma conversão ilegal, bateu em uma moto, jogando o pobre motociclista longe. No asfalto, junto a estilhaços oriundos da moto, o rapaz gemia enquanto, rapidamente o motorista desceu do carro, observou a situação e, rapidamente, fugiu.

Por um momento, instantes marcantes para ambos, olhares foram trocados. Por mais assustado e mesmo em choque, o rapaz jogado sobre o asfalto olhou e gravou as feições do criminoso – sim, criminoso porque  fugitivo, e irresponsável. A avenida, movimentada, parou para socorrer o rapaz que, em meio à tragédia, pode guardar um dado de boa sorte: no exato instante em que caiu já se ouvia a sirene de um carro de socorro, do Corpo de Bombeiros, que certamente tinha outro destino, mas que parou e prestou os primeiros socorros.

Tendo sido atropelado, sei bem pelo que passa a vítima nesse momento. A dor é indescritível e dela pode-se dizer minimamente que é intensa, quase insuportável. Parece que o rapaz sofreu uma fratura. Se ocorrer luxação, inchaço, não é possível cirurgia imediata. A dor não alivia, mas piora com a consciência das consequências do acidente. A moto quebrada, os compromissos interrompidos. Fiquei um ano sem poder trabalhar. Espero que o rapaz tenha melhor sorte. Mas, o certo é que ele está, neste momento, sobre a cama de um hospital, amaldiçoando o momento em que tudo ocorreu.

E se tivesse escolhido outro caminho? E se deixasse para sair cinco minutos depois do seu local de origem? Em meio a tudo, os problemas do cotidiano permanecem. Quando fui atropelado portava uma pasta com todos os documentos. Só confiei em soltá-la na presença de uma amiga.  Com a fuga do motorista houve gritaria geral: – anotem a placa! O rapaz acidentado pediu, em meio a gemidos de dor, que a polícia não fosse chamada. Ele tem problemas com a moto. Uma licença não atualizada, várias multas, falta de habilitação? Não deixamos de manter um pé na realidade mesmo quando jogados no asfalto, com fraturas e escoriações.

Tenho lembranças remotas de quem me atropelou. Tenho certeza que era uma mulher, jovem, cabelos escuros. Fico pensando em como essa cidadã conseguiu seguir a vida; certamente preferiu acreditar que não foi nada, que fiquei bem. Se ela olhou pelo retrovisor percebeu que eu me arrastava pelo asfalto. O criminoso fugitivo de hoje viu o acidentado se movendo, ouviu os gemidos do infeliz e fugiu. Provavelmente dormirá tranquilo, com a ideia de que não matou e que o motociclista ficará bem. Como se a vitima, ao ficar bem, livrasse o criminoso fugitivo de suas responsabilidades!

Lamento, mas escreverei depois sobre o dia dos namorados. Infelizmente, muitos outros acidentes ocorrerão neste final de feriadão. Tomara que não ocorra nada fatal. E que aqueles que provocarem acidentes prestem socorro às vitimas. Nem todos terão a sorte de um socorro imediato. Podemos rezar pelas vítimas, por todos os envolvidos. Prioritariamente, sinto que é grande a necessidade de uma campanha, sensibilizando a todos para que, mediante um acidente, assumam suas responsabilidades.

.

Boa semana para todos!

.

Autor: valdoresende

As formas de expressão dominam minha vida. E aqui, neste blog, pretendo escrever sobre elas, sobre meu cotidiano, as coisas e pessoas que curto. Sou professor, escritor, diretor teatral, mestre em artes visuais pela UNESP e um pouco mais. Frutos de uma vida, graças a Deus, intensa.

3 comentários em “Provocou o acidente e fugiu”

  1. as pessoas esquecem que aquele que está pilotando uma moto é um ser humano, um irmão. Deveriam ter mais cuidado com os motociclistas pois qualquer descuido pode causar a morte de um cidadão que possui o capacete como unica proteção e o corpo como parachoque!!

  2. Ehhh Valdo, esse não é o primeiro e infelizmente não vai ser o último relato de atropelamento e fuga…. Eu tive problema ao contrário, uma garota que saiu de trás do ônibus e atravessou a rua correndo sem olhar, e me “atropelou”… Só não tive problemas maiores, pois a tia que fui buscar em casa para nos acompanhar até o hospital, conhecendo a sobrinha, optou por não me acusar de nada na delegacia, onde o delegado insistia se ela não queria fazer BO… Além de sofrer quase atropelamentos (a pé e de carro) por ciclistas que andam pelas calçadas ou em sentido contrário ao dos carros…

Deixe uma resposta para Lisa Yoko Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: