Tags

, , , , , ,

Valdo Resende foto campus marquês

As aulas estão de volta. Um conflito que se repete entre a suposta liberdade das férias e as obrigações de professores e estudantes. É um período para ficar distante daquelas pessoas que, mesmo sem querer, materializam o mito do eterno retorno descrito assim por Nietzsche:

“Esta vida, assim como tu vives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes; e não haverá nela nada de novo, cada dor e cada prazer e cada pensamento e suspiro e tudo o que há de indivisivelmente pequeno e de grande em tua vida há de te retornar, e tudo na mesma ordem e sequência” (A gaia ciência)

Longe de pretender filosofar! Agora, refletir nunca é demais. Mais que refletir, parece ser necessário rezar! Pedir aos céus distância de quem perdeu a capacidade de ver o novo. De perceber as pequenas transformações que tornam diferente cada dia, cada momento.

O trabalho é uma grande benção e feliz aquele que pode construir algo, colaborar com alguém; mesmo nas ações mais simples, nas tarefas mais singelas, cada operário realiza uma pequena e essencial partícula da ação que resulta no todo que é esse mundão.

No trabalho escolar há momentos de propiciar e de receber conhecimento. Corre sério risco de vivenciar o “eterno retorno” aquele professor que não percebe nada por aprender. Já o aluno que não entende a escola como passagem viverá a escola nessa perspectiva do “eterno retorno” e aprenderá pouco; quase nada.

Trabalhei bastante nesse mês de janeiro, graças a Deus. Ainda não chegou o momento de tornar público o que andamos fazendo. Posso afirmar que estive em excelente companhia, ao lado de parceiros recentes e de outros, com os quais estou na estrada há mais de vinte anos. Conheci alguns lugares e muitas pessoas. Também tive a oportunidade de conviver por alguns dias com uma garotinha que, fazendo-me refletir muito, levou-me a escrever este post.

Registro de um "ataque"

Cinco dias de viagem passando por várias cidades e dezenas de reuniões. Trabalho estafante, encarado com serenidade por nossa pequena companheira que, em férias, brincava tranquilamente ou dedicava-se a fazer amigos enquanto apresentávamos projetos, discutíamos possibilidades. Dentro do carro, viajando de um lugar para o outro, ela continuava brincando, exceto quando se mostrava ansiosa com o que estava por vir: Na semana seguinte ela voltaria para a escola.

Foram cinco dias em que a menina retornava ao tema, com diferentes perspectivas. Os colegas, o uniforme, os professores… Ela mostrou-se preocupada até com a condução que a levaria para a escola. E repetiu várias vezes a mesma pergunta: – Quando é mesmo que começam as aulas, mamãe? A mãe respondia e, invariavelmente, ela prosseguia: – E falta quanto tempo? Quantos dias? Que dia mesmo? Já é na próxima segunda-feira?

Espero que minha querida amiguinha tenha encontrado professores e colegas livres da síndrome do “eterno retorno”. Que dividam com ela o prazer de voltar, a alegria de continuar. Tenho pensado constantemente se serei capaz de perceber gente como essa menina entre meus colegas professores e alunos, mesmo estando todos já calejados da vida escolar. Não temos mais nove, dez anos de idade; todavia, que possamos recuperar o olhar e a vontade primeira daquele dia em que nossa mãe nos acordou para que fossemos estudar.

Até!

.

Nota: As fotos são de uma turma do Campus Marquês que concluiu o curso em 2013.

.