Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

“A batalha do conhecimento” é o segundo dos cinco textos do projeto Arte na Comunidade 2 que estou publicando neste blog. A segunda cidade, aqui o critério é alfabético, é Ituiutaba. “A batalha do conhecimento” foi interpretado por RONAN VAZ. As imagens são de THANERESSA LIMA e do meu arquivo pessoal.

Havendo interesse em reproduzir o texto ou interpretá-lo, peço a gentileza da citação da origem.

Organizado pela Kavantan & Associados, o projeto Arte na Comunidade 2 foi patrocinado pela Alupar e Cemig, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e contou com o apoio das prefeituras de Ituiutaba, Canápolis, Monte Alegre de Minas e Prata.

A Batalha do Conhecimento

Original de  Valdo Resende

O CONTADOR ENTRA EMPURRANDO SUA MALA-BIBLIOTECA. DESTA SAI O SOM ALEGRE DE BATIDAS DE TAMBORES. TOCA UM “TAMBOR DE CONGADA” ENQUANTO PREPARA O AMBIENTE PARA CONTAR SUAS HISTÓRIAS. BATE NO TAMBOR E DIZ, APRESENTANDO UMA BANDEIRA DE CONGADA, COM A IMAGEM DOS DOIS SANTOS.

ITUIUTABA 1

(Ronan Vaz em foto de Thaneressa Lima – Divulgação)

– Salve São Benedito! Salve! Nossa Senhora do Rosário que Abençoe a todos nós! (PEGA UM BANQUINHO E SENTANDO-SE NO MESMO, PROSSEGUE) Não custa nada pedir proteção aos santos. Nada mesmo! E a gente nunca sabe o que vai acontecer logo ali, não é mesmo? Há muitas formas de pedir proteção e cada pessoa pede para quem acha que deve. Mas que ninguém nunca deixe de contar com a proteção do alto!

ITUIUTABA 2

(Ronan Vaz em foto de Thaneressa Lima – Divulgação)

(BENZE-SE E ACOMODA A BANDEIRA)

Senhoras e senhores, meninas e meninos de Ituiutaba! (TOCA O TAMBOR E FAZ MESURAS, ENQUANTO FAZ A AUTOAPRESENTAÇÃO) Meu nome é Autran Guimarães Cardoso! Muito Prazer! Estou agradecido pela carinhosa recepção. Quero, prioritariamente, apresentar a todos vocês o melhor lugar do mundo: Minha biblioteca! (PEGA UM LIVRO DE HISTÓRIA) Sou descendente direto de Chico Rei e guardo toda a história dos nossos antepassados que vieram do Congo! (PEGA OUTRO LIVRO) Conheço e posso contar a história de nossas tribos; suas lendas, seus costumes…  Construo com minha imaginação aquilo que está só nas entrelinhas da história e por isso naveguei com o capitão Gancho e seus piratas, lutei ao lado de Robin Wood e descobri os mistérios das escolas de Harry Potter! (PEGA MAIS UM LIVRO)… Neste livro aqui aprendo coisas, sobre quase tudo! Até sobre… Leite!

(APONTA PARA O LITRO DE LEITE; FOLHEIA O LIVRO, ANTES DE PROSSEGUIR)

ITUIUTABA 5

(Ronan Vaz em foto de Thaneressa Lima – Divulgação)

Para os nossos queridos professores o leite é um líquido branco, opaco, segregado pelas glândulas mamárias da fêmea dos mamíferos!(FAZ EXPRESSÕES DE ESTRANHAMENTO E PROSSEGUE). Para a grande maioria o leite é o líquido mágico que se transforma em… (BATE O TAMBOR) Pudim de leite! Chocolate ao leite! Doce de leite! Iogurte e Queijo! Ah! Muitos queijos! Prato, brie, camembert, muçarela, provolone, gorgonzola, roquefort, mascarpone, ricota, gruyére, parmesão e o mais querido, o mais amado, o mais gostoso: o queijo mineiro!

Aprendi tudo sobre queijos com um menino de Ituiutaba, o Camilo! Camilo! Um menino esperto, inteligente! Nunca teve uma vaquinha, mas sabia de leite porque colocou na cabeça que ia saber tudo de Ituiutaba. Se o leite é historicamente um dos principais produtos da cidade, Camilo sabe tudo sobre leite e seus derivados. E sabe também sobre arroz, sobre cana! Cana de açúcar! Cana de cadeia, não sei se sabe; cana de cachaça, acho que não, não sei. O certo é que Camilo sabia tudo de Ituiutaba e foi dele que ganhei esse tambor de congada, feito especialmente para celebrar a festa na cidade (BRINCA DE DANÇAR A CONGADA). Camilo é apaixonado pela cidade onde nasceu.

Camilo estudava na Escola Estadual João Pinheiro quando a professora, Dona Marília, inventou de fazer uma batalha dentro da sala. Uma batalha de conhecimento! A sala foi dividida em cinco grupos que deveriam estudar tudo sobre a cidade: geografia, história, folclore, economia, enfim, tudo! Em dia marcado pela professora os alunos passariam por uma batalha oral. Quando uma equipe não soubesse, aquele que acertasse ganharia os pontos. E o melhor, a equipe vencedora iria ganhar um monte de prêmios: Doces, livros, brinquedos e o prêmio maior: um final de semana inteirinho hospedados na fazenda Haras Barreiro, curtindo as belezas do maravilhoso museu da família Drummond.

Ninguém duvidava que Camilo fosse peça fundamental para a vitória de sua equipe. O menino sabia tudo e certamente sairiam vencedores, exceto por um problema. Um problema! Um único e seriíssimo problema (O ATOR DIRÁ GAGUEJANDO TODA A PRÓXIMA FRASE). Ca-mi-lo  e-ra  ga-go. To-tal-men-te  ga-go.  Ga-go!

Essa era uma grande preocupação do grupo de Camilo. A professora colocou como regra o tempo de 15 segundos para cada resposta. Imagine só! 15 segundos para Camilo responder, por exemplo, o que aconteceu de triste para a cidade em novembro de 1938? Marquem o tempo! (FINGE SER O MENINO E GAGUEJANDO, RESPONDE:) – No di-a 31 de ou-tu-bro de 1-9-3-8 um  vi-o-len-to  in-cên-dio  des-troi a Ma-triz de São Jo-sé!

A Matriz de São José, restaurada, é um dos pontos turísticos da cidade

A Matriz de São José, restaurada, é um dos pontos turísticos da cidade

O mais preocupado e apreensivo era o próprio Camilo. Tinha vergonha de gaguejar. Alguns colegas riam, outros pediam que respondesse depressa; o que o deixava mais gago ainda. Em casa, deixou de comer e começou a dormir mal. Quanto mais se aproximava o dia da batalha, mais o menino se angustiava. Com muito custo Dona Tereza, a mamãe do Camilo, conseguiu que ele falasse o que estava acontecendo. Muito custo mesmo! Gaguejando, Camilo levou mais de uma hora pra contar tudo! (IMITA O MENINO). – Va-mos ter u-ma ba-ta-lha de co-nhe-ci-men-to na es-co-la e eu es-tou com medo de falar na frente dos meninos! E chorou copiosamente no colo da mãe.

Dona Tereza, a mãe, foi falar com Dona Marília, a professora. (IMITANDO A MÃE) “Escuta aqui, Dona Marília, meu filhinho Camilo está sofrendo muito com receio de falar na frente da sala. Falar, não! De gaguejar!” A professora, antenada com tudo que há de bom nesse mundo, respondeu: “Não posso excluir o Camilo, minha senhora. A participação de todos é um fator preponderante na nossa escola…”

Aquele lero-lero não convenceu a mãe do menino, preocupada em proteger o garoto. E o dia da batalha chegando. Camilo, mesmo com medo de ga-gue-jar na fren-te dos co-le-gas, estudava mais e mais. Aprendia mais sobre os Rios Grande e Paranaíba, sobre os ribeirões São Lourenço e São Vicente e gostava especialmente de ler sobre os índios caiapós, tupis-guaranis, aratus… Estudou tudo do rio Tejuco! Seu potencial hidrelétrico e as possibilidades de melhorias na transformação regional. De vez em quando se imaginava na frente dos colegas. Na cabeça do menino a professora perguntava e a resposta vinha, fácil, fluente! (IMITANDO PROFESSORA E ALUNO). “- Camilo, quais são nossos municípios limítrofes?” e o menino: “- Gurinhatã, Ipiaçú, Capinópolis, Canápolis, Santa Vitória, Monte Alegre de Minas, Prata e (GAGUEJANDO) Cam-pi-na Ver-de (CHORA NO FINAL, COMO SE FOSSE O GAROTO)”.

(O ATOR BATE O TAMBOR DA CONGADA, RETOMANDO A CENA)

Chegou o grande dia! O dia da grande batalha do conhecimento. Quem sabe mais sobre Ituiutaba? Antes de sair de casa, Camilo tremia como se a batalha fosse de espadas, bombas atômicas; Dona Tereza, concordando com as atitudes da professora, sabia que o filho precisava de estímulo e antes que o menino saísse de casa, lembrou-lhe: (IMITA A MÃE) “- Meu filho, Winston Churchill, o grande estadista inglês gaguejava, assim como o cientista Charles Darwin! Isaac Newton gaguejava também! Vai lá e mostre o que você sabe. Gaguejando ou não!”

ITUIUTABA 4

(Ronan Vaz em foto de Thaneressa Lima – Divulgação)

A batalha foi emocionante. A sala de Dona Marília virou um grande campo onde o conhecimento era a principal arma. O grupo de Camilo foi derrotando os demais por um estratagema simples: quando a professora fazia uma pergunta para outro grupo, Camilo gaguejava, quer dizer, respondia para os colegas de sua equipe. Assim, os adversários não sabendo a resposta, era a equipe de Camilo a primeira a levantar a mão e a responder corretamente!.

Acontece que a professora exigiu, pelo regulamento, um rodízio dos alunos respondentes. Assim, na última pergunta, não teve como. Camilo teria que dar a resposta perante a sala ou sua equipe perderia. Grande tensão! Grande expectativa! Camilo tremia, ameaçava cair no choro quando dona Tereza lascou a pergunta: – Camilo, qual o significado de ITUIUTABA? Quinze segundos! Silêncio mortal e o nosso querido gaguinho não pestanejou:

(IMITANDO O GAROTO)

“-I, I, I, I, I rio. Tuiu, tuiu, tuiu, tu-iu… tijuco. Ta-ba, ta-ba, ta-ba, al-deia, ci-da-de.” A sala permaneceu muda e Camilo, vitorioso, respirou fundo e repetiu: (SEM GAGUEJAR): “ –  I – TUIU-TABA. Cidade do Rio Tejuco!” (O ATOR FAZ GRANDE COMEMORAÇÃO). Camilo é o maior! Camilo é o maior, Camilo é o maior!

Naquele dia, Dona Marília ensinou a maior lição que toda e qualquer pessoa deve saber: não há limite para o conhecimento. Não há limites para quem estuda e aplica aquilo que sabe, independendo de quais características a natureza deu ao indivíduo.

ITUIUTABA 3

(Ronan Vaz em foto de Thaneressa Lima – Divulgação)

(O CONTADOR ENCERRA SUA APRESENTAÇÃO COM UM AGRADECIMENTO. FECHA A SUA MALA BIBLIOTECA E SAI DE CENA).