Vigia noturno

Vigia noturno/valdo resende

Depois de um dia extenuante

Sobram ânsias de abraços receptivos

Um colo para repousar a cabeça

Cafunés que antecipem sonhos.

Sem romance, sem realidade,

Apenas aconchego.

São Paulo quase serenada

Acalenta faces com ar fresco

Facilitando passos apressados.

Quantos terão o abraço,

Quais repousarão sobre um colo?

Silêncio; nenhum sussurro.

A cidade guarda seus segredos.

.

Valdo Resende/2014

.

Tudo ainda é tal e qual

As esperas da vida. Passamos tanto tempo aguardando acontecimentos e, quando esses chegam, pouco ou nada acontece. De outro lado, há fatos que transformam nossas vidas e nem sempre damos a devida importância aos mesmos, ou os relegamos ao esquecimento. A primeira palavra escrita, por exemplo. Uma vez desenhei a palavra BINO no quintal lá de casa. Recordo como se fosse agora a alegria de meu pai e o que aquele momento significou; era só uma palavra, mas eu sabia escrever! Todos os aprendizados posteriores nada mais foram do que a repetição daquele primeiro instante em que minha mão, insegura, riscava no chão o nome de meu pai.

Outro fato marcante na vida de qualquer cidadão é o primeiro salário. Pertenço àquela faixa da população que começou a trabalhar por necessidade, deixando a vocação para depois. Tive a sorte de pertencer a uma família que não dependeu do meu primeiro salário para nada;  então tive a sensação de autonomia que, não percebi, foi a de mero e restrito poder aquisitivo. O salário não era lá essas coisas, mas era meu. E eu poderia fazer o uso que quisesse. Tenho a nítida lembrança da sensação de poder sentida com aquelas cédulas em minhas mãos.

Amor a gente não espera, caça! Busca e procura são palavras suaves demais para a caça do adolescente. Fui daqueles que experimentou fases muito definidas: segurar outra mão e caminhar pela rua; roçar uma boca no primeiro beijo; formular a frase “- Quer namorar comigo?”, fazer sexo… Tudo muito marcante, transformando-me no ato. O amor podia ser ilusão, mas o aprendizado foi de extrema valia para a vida que veio depois.

As transformações vindas pelo conhecimento, pelo trabalho e pelo afeto estão entre as que valem. Há toda uma série de acontecimentos que não mudam nada.  Passagem de ano é um desses; transformamo-nos em bêbados mais ou menos felizes, sentimentais; passado o porre somos exatamente os mesmos. Maioridade é outra data esperada, mas tão transgredida antes que, ao chegar, já fizemos aquilo que queríamos fazer e ser quando nos tornássemos maiores de idade.

A Avenida 23 de maio estava assim, nesta quinta-feira. Nada mudou.

No país do futebol tivemos a Libertadores quarta, a Copa do Brasil quinta e vimos o anúncio da escalação para a seleção olímpica. As pessoas estão felizes, temporariamente. Estou feliz por elas. Todavia, a sensação de primeiro de janeiro não me sai da idéia. Para todo e qualquer lado que olho, reflito e constato que tudo permanece igual, apesar dos gritos de “É campeão!”. E aí, deu de pensar nas coisas que realmente nos transformam.

.

Bom final de semana.

.

Escrever é eterno recomeçar

Então, vamos lá:

O ato de escrever é atividade mais ou menos árdua. Pensar, arquitetar e organizar as idéias. Ordená-las em frases, parágrafos. Rever o que foi escrito, revisar, cortar tudo o que é desnecessário. Pronto. Tornado público, o texto irá ou não estabelecer um diálogo com o leitor, o receptor. E para não cessar a comunicação, vem o recomeço: Pensar, arquitetar e, sobretudo, GOSTAR de escrever.

Volto a redigir em um blog neste primeiro de setembro de 2011, dia em que TARSILA DO AMARAL, a grande pintora do modernismo brasileira, é lembrada até pelo Google. Bom sinal. Pois é parte dessa nova proposta ir além do que escrevi em blog anterior, onde priorizei a música e vez em quando abordei outras formas de arte.

Neste blog assumo nova empreitada, com a música sempre presente. Para excluir qualquer possibilidade de dúvida quanto a isso escolhi o verso de CHICO BUARQUE, da música “ASSENTAMENTO”, ao lado do meu nome. Um primeiro norte para essa caminhada. Também escreverei sobre outro assunto, área de atuação pessoal: Teatro.  ARTES PLÁSTICAS, MÚSICA, TEATRO e um pouco mais, que entrará em uma categoria que denominei COTIDIANO.

E escolhi, homenageando a aniversariante TARSILA, uma reprodução do quadro “A Lua”. Uma sutil referência ao ato noturno de escrever. Desde adolescente, lá em UBERABA, cidade mineira onde nasci, quando o ato de escrever tornou-se hábito. Foi no silêncio da noite, o dia remoído, a vida tornada texto.

Tarsila nasceu em 01/09/1886.

Seja bem-vindo, caro leitor! Por gentileza, sempre que possível, troque uma idéia, deixe um comentário. Escrever é sempre para alguém, mesmo que este seja o próprio escritor. Prefiro o outro, VOCE, como interlocutor; então, se o tempo permitir, não me deixe a impressão de falar sozinho.

Obrigado. Volte sempre!