O que falta para quem destrói estátuas?

Tenho profundo respeito e admiração por alguns artistas pernambucanos. Uma paixão que vem da adolescência quando, através da música de Chico Buarque, conheci a poesia de João Cabral de Melo Neto. Muito antes disso recordo, bem criança, minha mãe cantando Luiz Gonzaga. Quando comecei a gostar de Maria Bethânia conheci a música de Antonio Maria... Continuar Lendo →

O Recife que aprendi a amar

O Recife que aprendi a amar É cidade de poeta; Um poeta. Manuel Bandeira! Sem Pasárgada. Esta fica para outro dia. Vou-me embora pra Recife e levo, na bagagem, outros versos de Bandeira que, com prazer, divido com quem me honra visitando e lendo este blog. Teu corpo... a única ilha No oceano do meu... Continuar Lendo →

Anarina de volta, com sol e brisa

Se o sol vem com calor insuportável, aumenta a vontade de não fazer nada. Fico feito jacaré, quietinho, tentando suportar a temperatura, achando que é tudo culpa do cimento armado, cobrindo a imensa região onde está a cidade de São Paulo que assim, fica impermeabilizada. As pessoas confundem terra com sujeira… E tocam a jogar... Continuar Lendo →

Francis Hime para maneirar esse frio denso

Eu queria ser Um tipo de compositor Capaz de cantar nosso amor Modesto... Espero um setembro com altíssimo astral. Depois de tanto frio neste agosto, com sua cota de desgosto, quero mais é que este inverno fique para a história e de lá não volte tão cedo. No meio da tarde gelada foi a música... Continuar Lendo →

Antes do baile

. Venho brincando de poesia e estou longe do “Pessoa” Desenho histórias a léguas de “Amado” Pardal vagabundo que aspira “Tinhorão” Palpiteiro da esquina onde não há “Eco” . Artesão da pedra que “entranha a alma” Escrevo como quem explora “vasto mundo” Sonhando com “Pasárgada” Sobrevivendo na “pauliceia desvairada” . Fernando Cabral, Jorge Drummond; José... Continuar Lendo →

Clara Nunes, sempre!

30 anos sem Clara Nunes! Na próxima terça-feira lembramos aquela que está entre as maiores sambistas brasileiras, mineiríssima Clara das Gerais, falecida em 02 de abril de 1983. Uma morte ingrata para uma jovem com apenas 40 anos de vida, que colhia os frutos de uma carreira de imenso e merecido sucesso. Algumas faces dessa cantora inesquecível:... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: