Trem das Lives no YouTube

O Trem das Lives está construindo um belo acervo de vídeos que abordam diferentes faces da cultura brasileira. Entre no YouTube, siga-nos, ative o sininho sobre notificações de novos vídeos!

Embarque na cultura brasileira!

Angélica Leutwiller

A partir desta semana iremos publicar alguns vídeos do Trem das Lives aqui, como este, com Angélica Leutwiller, que nos presenteou com ótimas histórias e três belas canções.

Boa semana para todos.

Histórias fora da live

Angélica Leutwiller

Uma coisa é fazer live com quem tenho pouca ou nenhuma intimidade. Outra coisa é fazer o mesmo tempo numa live com uma amiga como Angélica Leutwiller. Se no primeiro caso cabe elaborar uma pauta com temas, comentários e perguntas pertinentes, no segundo a tarefa é outra: selecionar assuntos e situações que permearam nossas vidas em algumas décadas… Décadas! (E a gente dá a primeira gargalhada, pois a palavra década implica tanta coisa que o melhor é rir).

Importa no Trem das Lives contar a carreira da pessoa, o histórico do profissional. De preferência evidenciar aspectos não divulgados e retomar, rever a trajetória dos nossos convidados. Quando não conhecemos… a gente levanta esse histórico. Já com amigos como Angélica Leutwiller é necessário escolher entre muitos fatos ocorridos ao longo de nossas vidas.

Nos conhecemos na Universidade. Fizemos parte de um grupo que tomou posse do Instituto de Artes para reivindicar alguns direitos. Após alguns dias de invasão, fomos tirados do Campus por uma tropa de choque. Sob aplausos!

Estreitamos amizade fazendo teatro e aí… Angélica visitou Uberaba e conheceu minha família. Em Ribeirão Preto visitou minha tia Olinda em uma festa de Santo Antônio. Estivemos em Campinas, quando nossa querida Heloísa Junqueira cantou na ópera A Flauta Mágica. Fomos para apresentações do coral no Rio de Janeiro… A gente andou por aí.

Em 1983 Caetano Veloso gravou Eclipse Oculto. Angélica adorava a música e sempre a pedia em todas as comemorações. Não foi essa a música que, tempos depois, dançamos com Regina Duarte na comemoração das 100 apresentações da peça A Vida é Sonho. Angélica fez parte do espetáculo e, na festa que já não me recordo onde foi, lá estava o trio Angélica, Heloisa e eu saracoteando pelo salão. Lá pelas tantas, D. Regina desceu do pedestal de onde observava a galera e veio caminhando em direção ao trio, passando a dançar conosco, o quarteto cercado por um monte de seguranças… (Outras gargalhadas e, ao mesmo tempo pensar essa coisa estranha que é a vida de certas pessoas tendo que dançar vigiadas por armários duros e mal-encarados).

Sorte de quem viveu os anos de 1980. Ainda com as boas vibrações dos desbundes dos anos de 1970 e antevendo novos tempos, já que a ditadura militar estava chegando ao fim. Nem tudo era festa. Rolou o primeiro surto de dengue. Uma noite de febre intensa, náuseas, vômitos e um pedido de socorro para a amiga. Angélica me levou ao médico e depois pra casa dos pais, onde me fez um mingau. Coisas de amiga/irmã.

Tenebroso foi quando minha família perdeu seis pessoas em um acidente de carro. Eu não tinha telefone e entraram em contato com Angélica, para que me desse o triste recado. Certamente um momento delicado e embaraçoso, posto que ela não conhecia as pessoas. Ela teve a delicadeza e o cuidado de anotar os nomes dos falecidos. Bizarro! Angélica sentada ao meu lado, pedindo-me calma e após o baque da notícia do acidente ler pausadamente a relação dos mortos.

Tenho tido muita sorte na vida. Longe da família encontrei amigos que cuidaram de mim com carinho e desvelo. E com arte também! Tive períodos de depressão e fui levado para um tratamento com música e cromoterapia. Angélica, junto a um grupo de cantoras incríveis que entoavam mantras enquanto eu, deitado em uma maca, recebia luzes de cores diversas; ouvia e me curava. Sorry! Ficar deprimido e ter Angélica Leutwiller cantando pra levantar o astral é pra encher o peito e, literalmente, “me achar!”

Domingo, no Trem das Lives, estarei todo pimpão e babão recebendo minha amiga. Lá falaremos sobre diversos momentos da carreira dessa artista de primeiríssima linha. Aqui, fica registrado um pouco do imenso carinho que tenho por ela e de alguns fatos que marcaram nossas vidas. Apareçam! Vale a pena conhecer Angélica Leutwiller.

Todos estão convidados!

Música e Jornalismo: Belchior, Nelson Motta e Raul Seixas

No próximo domingo mediarei um encontro entre Jotabê Medeiros e Nelson Motta, durante a 1ª Bienal Virtual do Livro de São Paulo. Juntos, conversaremos sobre música brasileira e jornalismo musical, destacando três livros dos dois autores:

RAUL SEIXAS, NÃO DIGA QUE A CANÇÃO ESTÁ PERDIDA, de Jotabê Medeiros, é um mergulho profundo nos 44 anos de vida do roqueiro, compositor e produtor musical, Raul Seixas. Do início em Salvador, passando pela fase de produtor que marcou época lançando sucessos de grandes artistas populares, o livro entra na carreira solo de um dos míticos artistas brasileiros. Lançamento da editora Todavia.

BELCHIOR, APENAS UM RAPAZ LATINO-AMERICANO, também de Jotabê Medeiros, busca refletir sobre a vida do genial compositor de “Velha roupa colorida”, entre outros grandes sucessos musicais, que atinge o auge para depois “desaparecer”, causando espanto aos fãs e admiradores. Vale destacar a análise do autor para “Como nossos pais”, imortalizada na voz de Elis Regina. O livro, da editora Todavia, está na 4ª reimpressão.

DE CU PRA LUA, DRAMAS, COMÉDIAS E MISTÉRIOS DE UM RAPAZ DE SORTE é a autobiografia de Nelson Motta. Bom humor, alto astral, a história da música brasileira e de grandes eventos pertinentes à ela estão relacionados ao autor, jornalista e compositor que, no livro, propicia reflexões sobre o que é ter sorte, além de dar dicas extraordinárias para quem pretende exercer a carreira de produtor musical. Lançamento da editora Estação Brasil.

Três livros para ler, curtir e presentear. Para conhecer um pouco mais sobre o assunto, todos estão convidados para nosso encontro, na sala Papo de Mercado, domingo, dia 13, às 12h. Para entrar na sala, o link é este: https://www.bienalvirtualsp.org.br/

Até lá!

Prêmio Funarte RespirArte: Oportunidade Para Artistas

Lançado edital da Fundação Nacional de Artes, o Prêmio Funarte RespirArte, pretende selecionar atrações online para o público e a promoção da arte de todas as regiões do país.

A Funarte pretende incentivar 1.600 produções artísticas em vídeo, inéditas, realizadas em plataformas digitais, com prêmios de R$ 2,5 mil para cada contemplado (deduzidos os tributos). As áreas alcançadas são: circo, artes visuais, música, dança, teatro e artes integradas. A Fundação concederá 270 prêmios para cada uma das linguagens específicas e 250 para artes integradas.

As inscrições devem ser realizadas por meio do formulário online. O prazo se inicia hoje, dia 17 de junho e termina dia 3 de agosto.

No edital, os interessados encontrarão instruções sobre especificações técnicas e regras detalhadas.

Para conhecer o edital clique aqui.

Boa sorte!

As Canções de “Ramiro”

Um Presente Para Ramiro, a peça que segue em cartaz percorrendo diversos centros culturais paulistanos, tem música de Flávio Monteiro. É o terceiro projeto em que faço parceria com esse jovem compositor de São Bernardo do Campo. São dele as trilhas do Arte na Comunidade 3, na Baixada Santista e do Arte na Comunidade 4, no Vale do Paraíba. Em todos esses trabalhos Flávio assina também a direção musical.

Clique no link abaixo para ouvir a canção de abertura de Um Presente Para Ramiro.

Foto Joao Caldas Fº_19850press.jpg

Da esquerda para a direita, Roberto Arduin, Neusa de Souza, Rogério Barsan, Conrado Sardinha e Isadora Petrin. A foto é de João Caldas.

Já certo de contar com o parceiro tenho escrito meus textos pensando e propondo letras que permeiam o enredo, ilustram cenas, contam outras e acrescentam elementos ao universo abordado. No caso de Um Presente Para Ramiro fizemos questão de resgatar alguns brinquedos simples, antigos e acessíveis economicamente. Gente de todas as idades curtem bilboquê, ioiô, boneco acrobata e tantos outros brinquedos que, no palco, são apresentados a Ramiro através da música, link que segue:

 

Foto Joao Caldas Fº_19544press.jpg
Isadora Petrin, Roberto Arduin e Conrado Sardinha. Foto João Caldas

Ao idealizar a peça veio a personagem Miguel, o avô de Ramiro. Pessoalmente tenho ojeriza quando vejo colocarem a figura dos avós como aqueles que mimam os netos, desconsiderando a grande importância desses na vida de toda pessoa. Avós educam e amorosamente transferem conhecimento advindo da experiência e maturidade que o tempo propicia. O avô Miguel, chamado de Mestre Abuelo pelos netos, é criativo, carinhoso e brincalhão, sem deixar de lado a coparticipação na educação dos netos. Com Ramiro e com a neta Valentina, Miguel faz viagens de faz de conta, propiciando conhecimento e estimulando a imaginação das crianças. A música de Flávio Monteiro conta a fórmula dessa brincadeira.

Meu processo de trabalho com o Flávio Monteiro é simples. Eu escrevo o texto, proponho letras e, destas ele põe versos, tira versos, troca palavras… tudo em nome de uma tal de prosódia. De vez em quando rola uns impasses, mas em nome do equilíbrio entre letra e frase musical e pensando no bem maior que é a montagem entramos em acordo.

Foto Joao Caldas Fº_19653press.jpg
Rogério Barsan e Neusa de Souza. Foto João Caldas

Em Um Presente Para Ramiro alertamos para os sonhos de nossos pais. Muitas vezes, interessados em realizar nossos desejos nos esquecemos que pai e mãe são seres humanos com vontades, sonhos e projetos. Os pais de Ramiro contam sonhos através de canções, links abaixo.

A trilha completa de Um Presente Para Ramiro, com as canções acima e outras, os temas instrumentais, estão neste link:

 

 

flavio piano
Flávio Monteiro. Foto do arquivo da produção.

Interpretadas pelos atores que participam da montagem, a trilha sonora da peça conta com a participação dos seguintes músicos:

  • Daniel Maier – teclado
  • Fernando Brandt – contrabaixo acústico e elétrico
  • Flávio Monteiro – violão, guitarra e piano
  • Joachim Emidio – bateria
  • Gravação e edição de som – Cristofer Rezende e Xico Leite

Patrocinado pela Visa, “Um Presente Para Ramiro” é uma realização da Kavantan, Projetos e Eventos Culturais, Ministério da Cultura e Governo Federal.

Até mais!

Quatro Cantos

 

medeia
Ilustração em vaso grego, inspirada em Medeia

A música tem permeado toda a minha vida. Através do canto, desde a infância, das brincadeiras com violão onde surgiram as primeiras composições. Com o tempo meu trabalho ficou restrito à letras e, com orgulho e gratidão, somo parcerias com Wilson de Oliveira, lá de Minas Gerais, Leonardo Venturieri, no Pará e aqui, em São Paulo, com Maurício Werá e Flávio Monteiro. De um velho projeto resgato o soneto abaixo, já musicado por Maurício Werá. Nossa inspiração veio da tragédia Medeia, de Eurípedes, lembrada na ilustração acima.

QUATRO CANTOS

Maurício Werá e Valdo Resende

Canto pelos quatro cantos do mundo

Minha voz ocupa espaços sonoros

Entre um canto e outro calo ou choro

Silêncio e morte onde o som infundo

Quer saber então por que é que eu canto

E nas pausas descanso a garganta?

Se existe razão para quem canta

Louvar a alegria e entoar o pranto?

A canção é toda matéria viva,

O calor da pele, a fria deriva.

Ressoam na voz cor e escuridão.

A razão não sabe do sentimento

Que embarga a voz e encarna o tempo

Música ultrapassa qualquer compreensão.

.-.-.-.-.-.-.

Até mais!

%d blogueiros gostam disto: