Querida Rosângela Maschio!

Caríssima, Estou feliz e grato com suas mensagens. Conhecer sua opinião, suas reações, suas posições em relação ao que escrevo no romance que você me informa estar terminando de ler, me deixa profundamente feliz. Desde que lancei “dois meninos” ocorreram muitas coisas complicadas na minha vida pessoal (fui acidentado, fiquei um ano de molho, chegou…

Trem das Lives no YouTube

O Trem das Lives está construindo um belo acervo de vídeos que abordam diferentes faces da cultura brasileira. Entre no YouTube, siga-nos, ative o sininho sobre notificações de novos vídeos! Embarque na cultura brasileira!

Pombinha branca

De muito longe vem a voz que me traz a canção. Tento ouvir com nitidez, determinar o timbre A divisão, o andamento. Reconhecer a tessitura com precisão… Em vão. A canção está no pensamento e, a voz, no coração. Embalou um, embalou dois, Embalou seis filhos! Distraiu netos enquanto os banhava Vestia, perfumava. Em vão…

Liberdade

Pra hoje, um poema de Fernando Pessoa: Ai que prazerNão cumprir um dever,Ter um livro para lerE não o fazer!Ler é maçada,Estudar é nada.O sol doiraSem literatura. O rio corre, bem ou mal,Sem edição original.E a brisa, essa,De tão naturalmente matinal,Como tem tempo não tem pressa… Livros são papéis pintados com tinta.Estudar é uma coisa…

“Desfaze-te da vaidade triste de falar”

“Desfaze-te da vaidade triste de falar”, diz Cecília Meireles em “Não digas onde acaba o dia”; e a poetisa conclui: Pensa, completamente silencioso, Até a glória de ficar silencioso, Sem pensar.      

Medos

O vírus assombra o planeta, Assusta, deixando-nos no devido lugar. Somos frágeis, indefesos, Meros mortais. O vírus avança lá, Recua acolá, aparece por aqui O bicho-papão da infância Volta em forma de realidade. O medo antecede o vírus O terror televisionado Anônimos infectados Anônimos mortos. E as bolsas caem! Feito ratos astutos Feito baratas treinadas…

O Bilac que não conheci na escola

(Um poeta bem-humorado, divertido; outra face do Príncipe dos Poetas que relembro abaixo). Velho conto Rita, mocinha, faceira, Passeia com o namorado E, descendo uma ladeira, Dá um tombo desastrado. Que tombo! Quase desmaia… E o noivo, que o tombo aterra, Vê coisas por sob a saia Mais do céu do que da terra. Nem…