O Artbook54 e o meu ego

 

artbook 54
O lançamento será na Quanta Academia de Artes, dia 20/01, 14h

Sorry! Folhear um trabalho como o Artbook54, de um artista como Octavio Cariello, e deparar-se com a própria imagem é para jogar o ego lá pra estratosfera. Então… lá estou eu entre personagens reais e imaginários; um, entre muitas personalidades desenhadas, esboçadas ou recriadas em divertidas caricaturas desse artista genial. E não são só pessoas; há logomarcas, fontes, quadrinhos… toda uma gama de trabalhos que comprovam a qualidade inegável do autor.

Ego é uma coisa doida. A gente tenta controlar, mas foi pegar o Artbook54 e, ao folhear, disfarçar a ansiedade, engolir a pergunta “- cadê eu?”. Ainda havia outra curiosidade: qual, entre os vários trabalhos feitos em conjunto, foi colocado no livro; das vezes em que tive o privilégio de ser desenhado, qual caricatura foi escolhida?

Serenada a vaidade vejo muito além da minha face; acompanho a carreira de Octavio Cariello em São Paulo desde quando ele chegou por aqui vindo de Recife. Os primeiros trabalhos, os primeiros grandes êxitos. O grande talento reconhecido quase que de imediato, colocando-o em pouquíssimo tempo na galeria dos melhores desenhistas nacionais, com prêmios e, sobretudo, o testemunho dos maiores entre seus pares.

Recordo os primeiros desenhos em que descobri estar diante de alguém com uma capacidade incomum em captar ângulos, descrever nuances, registrar faces e aspectos inusitados da forma. Também, entre amigos, ele brincava com guardanapos enquanto tomávamos cervejas na noite paulistana, desenhando com caneta esferográfica, conquistando a admiração de quem dividia a mesa conosco.

A loucura do sujeito – aquela do surto de quem não se cansa de criar – é perceptível na criação de fontes, onde o velho e bom alfabeto ganha nuances particulares, únicas, em mínimos detalhes que permeiam cada letra e que, em si, constituem-se numa família tipográfica. É a loucura do detalhe; de quem observa de tal forma que consegue recriar entre milhares a forma única. Doido!

cariello e eu
Que orgulho!

Este texto é passional. Fazer o que? A capacidade criativa e o talento de Octavio Cariello são inegáveis e, repito, – Sorry, estou no livro! Divido uma página com David Bowie, Clarice Lispector, Marcelo Campos, Alan Moore… E não é só. Há outra em que estou ao lado do próprio Cariello, registro do livro Alterego organizado por ele onde participei com um conto. Pura satisfação! Boa sorte, Cariello! Obrigado! Vamos curtir este livro, pois com certeza, outros virão!

O Artbook54 está no mundo. O lançamento será no próximo sábado, 20 de janeiro, a partir das 14h, na Quanta Academia de Artes (Rua Doutor José de Queirós Aranha, 246, perto da estação do metrô Ana Rosa). Todos estão convidados!

Até lá!

Sonia Braga, outra vez! E sempre!

sonia-braga-divulgacao
Sonia Braga – Aquarius (Divulgação)

Indivíduos da minha geração sabem o que é uma “tirada de blusa” de Sonia Braga. Furacão moreno que seduziu o mundo, a atriz, sempre coerente com suas personagens nunca nos privou da beleza exuberante, gostosa, sem artifícios. Depois de muito tempo voltei ao cinema para ver a atriz em Aquarius e, nos primeiros momentos de Sonia Braga em cena, reconheci os gestos da tigresa, movimentos felinos da mulher poderosa e, de repente, lá vai: Sonia vai tirar a blusa. Com absoluta segurança tira a peça de roupa. Um choque! E a cena informa com absoluta crueza: Senhores, senhoras, vejam Clara, a heroína deste filme!

Aquarius tem causado por aí. Musicalmente, por exemplo, o filme começa com Taiguara e, repito, os da minha geração se sentem privilegiados, agradecidos pela escolha do compositor e intérprete. Tem  também Maria Bethânia (Intensa! A cena já virou meme!) assim como tem Altemar Dutra, entre canções muito próprias de Pernambuco e outras, que ultrapassam fronteiras e estabelecem relações com diferentes épocas, diferentes mundos. Um passeio de lembranças apresentadas com suavidade para o público.

Aquarius é um libelo contra gente que pensa que compra tudo, avassaladoramente, renegando valores, princípios, história.  Gente que busca o lucro e ignora qualquer outra possibilidade que não seja o ganho financeiro. E Sonia constrói e dá legitimidade para a personagem, mulher independente, moradora solitária de um apartamento situado em região de grande especulação imobiliária. Com tranquilidade anuncia que dali não sairá.

As lembranças, os móveis, fotos e discos permeiam toda a história deixando claro do que é feita a vida de um indivíduo. Somos o que está em nosso cérebro e que foi construído ao longo do tempo. Objetos móveis e imóveis é parte das nossas vidas e somos donos desta, assim como cabe a nós o desapego do que consideramos desnecessário, supérfluo. Clara, a personagem de Sonia Braga luta com tranquilidade e, para brincar com um jargão comum poderia dizer que “sem perder a ternura”.

Diretor e roteirista, Kleber Mendonça Filho constrói um enredo que abre possibilidades diversas e, parece, sem saída. O final surpreende tanto quanto a entrada de Sonia Braga. Assisti Aquarius em um cinema da Avenida Paulista. Deixei a sala e já na avenida recordei quando, ainda estudante, eu vi inúmeros casarões sendo destruídos para que não fossem tombados como patrimônio histórico. Não houve uma Clara por aqui e, com certeza, gente assim é coisa rara. Todavia, essas pessoas nos propiciam alento e esperança. E a gente segue em frente com nossas pequenas lutas, nossas cotidianas batalhas para garantir a continuidade do que importa: nós mesmos.

sonia-braga-divulgacao
Sonia Braga. Sempre bela. (foto divulgação)

Sonia Braga é uma mulher madura. Incorpora um novo paradigma de velhice que encontra eco em outras musas da mesma geração como Wanderléa, Gal Costa ou Bruna Lombardi. São Lindas, fortes, seguras e seguem a vida com trabalhos brilhantes, algumas lutas públicas e, certamente, batalhas particulares. Têm o tempo a seu lado; como Clara, a senhora que mora em Recife, em plena Boa Viagem, vivendo a vida, a terceira idade, sem receio de novas batalhas. A vida, afinal, é um seguir em frente.

Até mais!

“Miragem” nos 35 anos de Octavio Cariello

miragem

Imperdível: Octavio Cariello apresenta projeto para viabilização via Catarse. Miragem é uma coleção de trabalhos desenvolvidos em mais de três décadas. Há desenhos, esboços, ilustrações para jornais e revistas, capas de várias publicações, Histórias em Quadrinhos, fontes de letras, logotipos e caricaturas…

Se você ajudar com a publicação deste livro, estará colaborando com a comemoração dos 35 anos da carreira de um dos desenhistas mais talentosos do país. Para quem ainda não conhece, transcrevo abaixo a autoapresentação do artista.

miragem2

“Sou de Recife, mas mudei para São Paulo há 30 anos; trabalho com design, ilustração e Quadrinhos, tenho dois romances, algumas poesias e uns pares de contos publicados. Fui fundador da Fábrica de Quadrinhos (Estúdio e Escola) e da Quanta Academia de Artes, onde trabalhei como coordenador geral dos cursos até 2007, quando saí da sociedade, mas permaneço no corpo docente da entidade. Dou aulas de narrativas gráficas, anatomia humana, perspectiva e Histórias em Quadrinhos na Pandora Escola de Arte, em Campinas, no Canvas Studio e Escola, em Piracicaba, e na Quanta Academia de Artes, em São Paulo.

Ilustrei matérias para jornais como O Rei da Notícia, Folha de S. Paulo, o Estado de S. Paulo, D.O. Leitura, o Globo e Debate, e revistas como Veja, Exame, Super Interessante, Marie Claire, Dragon Magazine, Show Bizz, Sandman e Jovem Pan, no Brasil. Tive vários Quadrinhos publicados nos EUA e por aqui também. Fiquei conhecido, em território nacional, por desenhar HQs do Amigo da Onça, dos Mamonas Assassinas, do Homem-Cueca, dos Casseta e Planeta e Sport Gang, e escrever roteiros para HQs do Quebra-Queixo.

miragem3

Alguns dos meus personagens já ganharam páginas de jornais e revistas em território nacional: “Delete” (da série Eon, da qual faz parte a saga de Portais), na revista Metal Pesado, “Derenian” (também da mesma saga), na Porrada! Special, e “Mofo” (desenhada por Gabriel Bá), no álbum Fábrica de Quadrinhos 2001. Com Eduardo Schaal, criei o logo da série de TV “As aventuras de Tiazinha” e participei da equipe de design que cuidou dos efeitos especiais. Com Alain Voss, criei o logo da série Sport Gang. Fui o criador do logo do Mundo Canibal. Para editoras americanas, pintei páginas da série “The Queen of the Damned” (da obra de Anne Rice, para a Innovation), e desenhei Wolverine (Marvel), Bloodchilde (Millenium), Lovecraft (Malibu), Black Lightning (DC), Trancers (Malibu) e Deathstroke (DC). Recentemente, pintei as páginas da adaptação de Rei Lear (Nemo).

Para participar, clique aqui, e veja as possibilidades de adesão e as contrapartidas aos colaboradores.

Até mais!

Inverno proletário, ou um beijo pra Caymmi

frio

Saudade da Bahia eu tenho é no frio;

Salvador e também, Maceió, Recife…

Nesse gelo paulistano

Morro de saudade do Piauí

Sonho com São Raimundo Nonato

Não quero mais morar aqui.

.

O mundo bem que podia ser equilibrado.

Melhor clima é o temperado,

Sem gente molhada de suor

Sem infelizes tiritando gelados,

Implorando chocolate, calor.

.

Quem tem saudade dos Andes?

Voltar aos Alpes italianos?

Férias de corpo encapado?

Na frente tenho o teclado

Na mente, chope gelado,

Sol de corpo amorenado.

.

“Ai, que saudade eu tenho da Bahia

Ah, Se eu escutasse o que mamãe dizia”

Não viria pra esse frio, não.

Ficaria lá no serrado

No mínimo iria para outro lado

Longe desse frio do cão.

Valdo Resende

Julho/2015

O que falta para quem destrói estátuas?

Brinquei de ser amigo de João Cabral...
Brinquei de ser amigo de João Cabral…

Tenho profundo respeito e admiração por alguns artistas pernambucanos. Uma paixão que vem da adolescência quando, através da música de Chico Buarque, conheci a poesia de João Cabral de Melo Neto. Muito antes disso recordo, bem criança, minha mãe cantando Luiz Gonzaga. Quando comecei a gostar de Maria Bethânia conheci a música de Antonio Maria e ao curtir Alceu Valença ganhei também a poesia de Ascenso Ferreira. Já Manuel Bandeira entrou em minha vida quando, cansado desta mesma vida, sonhei ir-me embora para Pasárgada.

Fiquei pensando no que diria a Antonio Maria...
Fiquei pensando no que diria a Antonio Maria…

Quem já passou por Recife sabe da reverência com que são tratados os artistas pernambucanos pela gente da terra. Nas ruas da cidade velha estão singelas homenagens aos grandes artistas através de belos e singelos conjuntos escultóricos; lembram ao transeunte que tal local, por um ou outro aspecto, está na obra do artista homenageado.

Estive por lá em janeiro e entre meus desejos particulares era visitar essas estátuas. Fiquei pensando no que diria a Antonio Maria… Brinquei de ser amigo de João Cabral…  E perto de Bandeira, manifestei desejos de Bandeira:

ruas de recife manuel bandeira

“…Quero antes o lirismo dos loucos

O lirismo dos bêbedos

O lirismo difícil e pungente dos bêbedos

O lirismo dos clowns de Shakespeare…”

Numa noite quente, como só acontece em Recife, saímos à cata de frevo, festa e, sem medo da felicidade, arriscamos ir de trem. Saindo da estação nos deparamos com o velho e grande Lua! Só podia ser ele, Luiz Gonzaga, saudando viajantes de todos os recantos e tempos. Confesso que fiquei chateado e, mesmo com receio do local desconhecido (desculpem a foto ruim!) quis registrar o descaso com a escultura do querido músico. A estátua de Lua estava em estado precário.

ruas de recife luismontagem

Nesta semana veio a notícia da destruição da estátua de Gonzaga e de Ascenso, atitude de vândalos que, certamente desconhecem a poesia de Ascenso e a música de Gonzaga. Só posso acreditar que não conheçam, pois caso contrário fica totalmente inaceitável tal atitude. O que escrever perante gestos estúpidos? Qual pena seria eficaz para tamanha idiotice?

Comecei o ano de 2012 com a poesia de Ascenso Ferreira (Veja todo o post aqui) e citei versos geniais:

Hora de comer — comer!
Hora de dormir — dormir!
Hora de vadiar — vadiar! 

Foi relembrando tais versos que matei a charada. Certamente, os imbecis que destruíram as estátuas não sabem vadiar… Se é que estou sendo claro. Pra essa gente falta uma boa e gostosa vadiagem. Onde estejam Ascenso e Gonzaga, devem estar rindo e afirmando em verso e melodia: – Essa gente precisa vadiar!

E que as autoridades façam seu trabalho!

 

Até mais!

.

O Recife que aprendi a amar

O Recife que aprendi a amar

É cidade de poeta;

Um poeta. Manuel Bandeira!

bandeira

Sem Pasárgada. Esta fica para outro dia. Vou-me embora pra Recife

e levo, na bagagem, outros versos de Bandeira que, com prazer,

divido com quem me honra visitando e lendo este blog.

Teu corpo… a única ilha

No oceano do meu desejo.

(Poemeto erótico)

Tudo quanto é belo,

Tudo quanto é vário,

Canta no martelo.

(Os sapos)

A mameluca é uma maluca.

Saiu sozinha da maloca…

(Berimbau)

Uns tomam éter, outros cocaína

Eu já tomei tristeza, hoje tomo alegria.

(Não sei dançar)

És linda como uma história da Carochinha…

(Mulheres)

 

Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

(Poética)

 

Lagoas das Alagoas,

Rios do meu Pernambuco,

Campos de Minas Gerais!

(Sextilhas românticas)

 

Disse que ela era boa.

Que ela era gostosa,

Que ela era bonita pra burro:

Não fez efeito.

(Rondó de efeito)

 

Recife morto, Recife bom, Recife brasileiro como a casa de meu avô.

(Evocação de Recife)

.

Até mais!

 .

“A festa é na avenida”

Atente para a mensagem da ilustração!
Creio ser pertinente, somar ao post, essa mensagem fundamental.

Se “a festa é na avenida”, como canta Arlindo Cruz, vamos desligar a TV, o computador e cair na folia. Nunca é demais alertar que avenida, no dito samba, é metáfora para todo espaço onde possamos brincar o carnaval. Se nem todos podem ir ao sambódromo, se há cidades onde não ocorrerão desfiles por falta de verbas e outros problemas, o jeito é apelar para a criatividade, a boa vontade e celebrar a alegria de viver.

Quem já esteve no Sambódromo, seja o de São Paulo ou o do Rio de Janeiro, sabe o quanto a transmissão da televisão é incompleta. Nossos caros profissionais, por mais que se esforcem, não conseguem ir além do óbvio. Enquanto as câmeras buscam mulheres bonitas, gente famosa, o detalhe inusitado, os apresentadores enchem nossos ouvidos com mesmices de todos os anos: É sempre perigoso o momento em que a bateria vai entrar no recuo; será que vai dar tempo da escola passar? Lá, encantados com o espetáculo, quando atingidos no âmago pelo desfile, nos esquecemos de tudo e somos felizes.

Estar em um desfile é permitir-se vivenciar a festa em plenitude; assistir, na arquibancada ou no camarote, é compactuar e interagir com todas as personagens do samba: a elegância da comissão de frente, a delicadeza refinada de mestre-sala e porta-bandeira, a técnica invejável do passista, a sensualidade gritante das cabrochas, o luxo dos destaques, o impecável artesanato das alegorias e, experiência única, o som absolutamente contagiante de uma bateria. A TV mostra por partes. No sambódromo ou na avenida, vivenciamos o todo.

“Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu”, diz outra canção, essa de Caetano Veloso. Se não vamos ao desfile da escola, há o trio elétrico, o bloco de rua. O samba ganha todos os espaços e permite a todos nós a alegria da criança, dona de si e da rua. Caminhamos apressados, tensos, por ruas e avenidas durante quase todo o ano. Corremos o risco de esquecer que trabalhamos tanto para que possamos brincar, confortavelmente, com nossos familiares, amigos e conhecidos. E brincar, aqui, é no sentido pleno de estar e ser feliz.

Nas ruas, ou praças, ou mesmo em botecos de esquina, esse é o momento para dançar frevo, sambar ou, simplesmente movimentar o corpo na cadência de uma marchinha. Há quem prefira os blocos gigantescos, na onda de uma Daniela Mercury ou com os Filhos de Gandhy na querida São Salvador; há os que começam com o Galo da Madrugada em Recife, após terem passado pelo Cordão do Bola Preta, no Rio de Janeiro. O melhor bloco é, sempre, aquele que a gente curte; eu, por exemplo, gosto do “Enterro dos ossos”, todo sábado após o carnaval, que encerra as atividades carnavalescas aqui do bairro.

Nem escola, nem bloco de rua? Ainda há bailes, dos mais sofisticados aos mais simples, com a criançada do condomínio, ou com os próprios familiares, afastando os móveis da sala. Permita-se brincar! Permita-se ser alegre, como o menino que dá uma rasante na avenida, com uma toalha amarrada ao pescoço, fingindo-se de Superman. Este é o verdadeiro espírito da festa carnavalesca; sair da rotina e brincar, de ser rei, sapo, rico, pescador, mulher gato, homem aranha… Na escola, no bloco, no salão do condomínio, a ordem é brincar e ser feliz.

.

Bom carnaval!

.

Nota: As peças que ilustram este post, é da Presença Propaganda. Grato ao Fernando Brengel, o folião mais animado da Vai-Vai!