Não chamem o síndico, o trabalho é para o político.

O trabalho neste momento, sobretudo, é COLETIVO.
O trabalho neste momento, sobretudo, é COLETIVO.

A maior tarefa da reconstrução deste país começa com a renovação ou mesmo a reconstrução partidária. Minha avó já faleceu e a síndica do meu prédio tem as limitações da função; as duas não poderão conduzir a nação. Dirigir um país é trabalho para especialistas e se há inúmeras forças ameaçando conflitos, a especialidade vital é a política. E política não se faz sozinho, daí a necessidade de uma política partidária. Se não há nada de bom entre os partidos, que tal criar um novo?

Hoje, sábado, 22, acabo de passar pela Avenida Paulista. As manifestações continuam e presenciei, infelizmente, a intolerância de um pequeno grupo para com um cidadão portando camisa e bandeira de um partido político. As pessoas exibindo cartazes, faixas, indo para o meio da avenida com o sinal fechado. Voltando, reiniciavam a discussão com o representante do “pcnãoseideque”. O irônico da situação é que as pessoas brigando, entre outras coisas, pelo direito de manifestar-se querem impedir outras de manifestarem-se também.

O que mais me incomoda nas pessoas que são contra manifestações partidárias é o fato de raramente ver, pelas ruas e avenidas, pessoas com camisas do PMDB ou do PSDB.  Penso que todos esses eleitores estejam por todos os lugares já que esses estão entre os maiores partidos do país. No entanto, omitindo a própria opção partidária, um número considerável de indivíduos quer impedir que outros exibam a filiação partidária. Ser membro de um partido é direito garantido pela Constituição.

Antes que me cobrem uma posição partidária devo dizer que fiz parte de um grupo que buscou angariar assinaturas para legalizar o surgimento do Partido dos Trabalhadores. Participei, junto com o grupo de teatro que dirigia, de várias ações em São Bernardo do Campo, Santo André, Diadema, Mauá e São Caetano do Sul buscando adesões para a formação do partido. Depois que o PT foi fundado reservei-me o direito de atuar como cidadão e votar em quem achava que devia. O PT é o projeto da minha geração e fico feliz em ter contribuído minimamente para que houvesse mudança na história política desse país. Ao longo de todos esses anos encontrei políticos admiráveis e afirmo que merecem todo o respeito e consideração.

Essa canção, sempre atual, diz muito do que são os anseios da minha geração.

Corre solta a falsa premissa de que todo político é corrupto. Esta funciona bem para eximir o indivíduo de sua responsabilidade perante a comunidade e deixa aberto o caminho para outros tornarem concretos os próprios interesses. Ou mudamos a premissa da corrupção de todo político ou entregamos a direção do país para nossas avós, ou para a síndica; bom notar que pastores e padres não podem assumir, pois nada mais político e tendencioso que instituição religiosa…  Então, sendo assim, para quem iremos delegar a direção do país?

As manifestações destes dias estão aí com várias lições para serem digeridas, aprendidas. A gota que faltava caiu e as pessoas estão nas ruas, reivindicando direitos. Algumas lideranças se sobressairão neste momento; gente de esquerda, de direita ou de centro, de diferentes partidos e agremiações. Que venham! Acima de tudo merecerão respeito, pois todo aquele que se dispõe a trabalhar pelo bem coletivo merece consideração.

Para os jovens esse é um momento de grande aprendizado. Alguns sairão como verdadeiros representantes de grupos, comunidades. Outra geração, seguindo em frente, aprimorando e corrigindo os trabalhos anteriores. Pode ser que ocorra algum retrocesso, mas o caminho é para frente. E se o individualismo é egoísta, resta o coletivo, o grupo, o Partido. E se as pessoas não acreditam em nenhum dos atuais partidos que criem outros. O que não dá é passar a vida fazendo passeatas sem que se tenha algo ou alguém para concretizar desejos e anseios de toda a nossa gente.

Até mais!

São Paulo! Comoção de minha vida…

São Paulo é a segunda cidade de milhões de pessoas que migraram, como eu, em busca de uma vida melhor. E, de “segunda cidade” passa a ser a primeira no coração de toda essa gente. Eu, pelo menos, não consigo pensar minha vida fora de São Paulo e sei de muitos migrantes que também pensam assim. É um sentimento às vezes carregado de culpa quando se coloca a cidade onde nascemos (Uberaba, meu amor!) em segundo plano.

Pra quem vem do Triangulo Mineiro, o Pico do Jaraguá anuncia a chegada em São Paulo.
Pra quem vem do Triangulo Mineiro, o Pico do Jaraguá anuncia São Paulo.

Foi complicado conhecer São Paulo, entender a cidade. Foi difícil aceitar que Santo André, São Caetano, fossem outras cidades. Todas próximas, sem fronteiras visíveis, sem os campos que separam as cidades da minha Minas Gerais. Os primeiros foram tempos de aventura, com dificuldades, descobertas estranhas: Uma mesma rua, por exemplo, a Rua Augusta, muda de nome quatro vezes! Tive, naquele período, algumas alegrias e muita saudade.

Augusta, 

Graças a Deus,

Entre você e a Angélica

Eu encontrei a Consolação

Que veio olhar por mim

E me deu a mão.

Meu primeiro endereço foi a Avenida Paulista. Contei minha chegada, detalhadamente aqui (é só clicar!). Estava perto da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, avenida por onde passo todos os dias já que moro em uma travessa da mesma. Todavia, naquela época, durante o dia eu procurava emprego e, entre uma caminhada e outra, ia conhecendo a cidade onde, um dia, havia sido turista.

Augusta, que saudade,

Você era vaidosa,

Que saudade,

E gastava o meu dinheiro

Que saudade,

Com roupas importadas

E outras bobagens.

O primeiro trabalho foi em uma empresa que fica na Rua Abdo Chaim, uma paralela da Rua 25 de Março. Desde então mantive minha definição para o que via por lá: a imensa capacidade humana de criar objetos obsoletos. De dia trabalhava como auditor. Saia da empresa sempre correndo – aprendi rapidamente a andar como paulistano, às pressas! – para ir ensaiar peças teatrais. Nos finais de semana cantava em botecos. Foi em uma tarde, no trabalho, que ouvi pelo rádio, sem acreditar, que Elis Regina estava morta.

Tom Zé, migrante apaixonado por São Paulo, autor dos versos que colocam poesia neste post
Tom Zé, migrante apaixonado por São Paulo, autor dos versos que colocam poesia neste post

Bom ser jovem. Eu vivia comendo salgados feito por chineses, descobri o pastel de feira, o caldo de cana, milho verde em cumbuca, e, volta e meia, tomava refeição dentro de um vagão lotado do trem suburbano. Via grandes ratos transitando pelo parque D. Pedro e presenciei três assaltos em um único momento, na fila aguardando o ônibus. Dormia três, quatro horas por noite, alimentando-me mal, valendo-me da saúde obtida na vida tranquila de Uberaba.

Angélica, que maldade

Você sempre me deu bolo,

Que maldade,

E até andava com a roupa,

Que maldade,

Cheirando a consultório médico,

Angélica.

Meu primeiro apartamento ficava “nos fundos” do Mosteiro de São Bento. Tinha todas as horas marcadas pelos sinos, com uma musicalidade sóbria, grave e, simultaneamente suave. Minhas sessões religiosas aconteciam ao som do canto gregoriano dos frades beneditinos. Após grandes viravoltas, o segundo apartamento foi no bairro da Liberdade, onde aprendi a gostar de sushi, temaki, sashimi entre tantas outras comidas japonesas.

Antes de parar na Bela Vista contabilizei mais moradias que anos de vida. Vila Mariana, Higienópolis, Ipiranga, Cerqueira César… Fui atropelado, fui assaltado… Um batismo no folclore da grande metrópole.

Quando eu vi

Que o Largo dos Aflitos

Não era bastante largo

Pra caber minha aflição,

Eu fui morar na Estação da Luz,

Porque estava tudo escuro

Dentro do meu coração.

Das lembranças todas suscitadas em datas como a do aniversário da cidade, gosto de comemorar a imensa galeria de amigos. De todos os matizes, raças, origens… De agradecer pela carreira profissional múltipla, a cidade permitindo-me realizações concretas no magistério, no teatro, no jornalismo, nas artes plásticas, nas letras…

Quantas histórias similares a esta. Quantos milhões de pessoas beneficiadas pela graça do Santo, São Paulo, que nunca castigou-me por ser Palmeirense. Há mais de 30 anos por aqui, trago Uberaba no meu peito; sou Minas Gerais. Jamais abdicarei disso por crer que esta é uma condição essencial para perceber e agradecer aos céus tudo o que,como migrante, tenho recebido em São Paulo. Dia 25 sempre foi, no meu entendimento, dia pra comemorar e agradecer.

.

Parabéns, minha capital querida!

Obrigado, São Paulo!

.

Notas:

1 – O título deste post é o primeiro verso do poema “Inspiração”, de MÁRIO DE ANDRADE in Paulicéia Desvairada.

2 – Os versos que intercalam o texto são da música de TOM ZÉ (Augusta, Angélica e Consolação), onde o compositor sintetiza a alma de três, das principais avenidas da capital. Para ouvir a canção, clique aqui.

André Rieu contra os guardiões eruditos

O maestro popstar

Amigos de Uberaba virão a São Paulo para um show que André Rieu fará na cidade. Fiquei intrigado em saber quem estava com “essa bola toda” para trazer minhas amigas para uma noite no ginásio do Ibirapuera.  Sim, não conhecia nada sobre o cidadão. Conversando com um e outro, recordei que já vi uma cantora, parte do elenco, no programa do Jô Soares. Ainda achando estranho, soube que o maestro fará 18 shows (DEZOITO!) no Ginásio do Ibirapuera; o tamanho deste local é bem conhecido de quem assiste aos shows do programa Criança Esperança.

Descobri que André Rieu é holandês, nascido em 1949. Dirige uma orquestra com cerca de 60 integrantes – denominada Johann Strauss – criada em 1989. O primeiro CD foi lançado em 1994 (Strauss & Co.), alcançando sucesso mundial. Olhando para aspectos da biografia do artista – filho de maestro, começou estudando violino aos cinco anos – parece algo comum; e o grande sucesso de público, dizem, deve-se aos concertos com cenários luxuosos, figurinos de época e muita descontração do maestro juntamente com seus músicos. O repertório – basicamente assentado nas populares valsas de Johann Strauss e de outros compositores vienenses.

Outras descobertas: o maestro é bastante odiado por alguns críticos e o adjetivo mais suave que dão ao holandês é “picareta”. Não vou citar nominalmente esses críticos, principalmente porque em textos muito nervosos deixam transparecer um fato perturbador: André Rieu não faz o que eles querem que o maestro faça. Simples assim.

Pessoas do universo da chamada “música erudita”, ou “música clássica”, costumam ser muito rígidos. Tomam a música quase que como religião e com frequência – já tive várias oportunidades de presenciar – vão a concertos não para apreciar, mas para ver se o músico está “fazendo direito”. Isso implica em seguir as partituras originais com maior seriedade do que religiosos seguem a Bíblia. Concertos, como certos atos religiosos, acontecem no mais absoluto silêncio, em atitude reverente de ambas as partes, artistas e platéia.

Carmen Monarcha, de Belém do Pará, é solista na orquestra de Rieu

É bom que saibam que aprecio concertos. Gosto de ouvir instrumentos sendo afinados; aprecio profundamente o respeito com que se reverencia o maestro, os solistas e estou entre aqueles que não toleram ruídos desagradáveis durante uma apresentação de música erudita. Nem tudo precisa ser “na palma da mão” e algumas árias merecem absoluto silêncio até o último acorde. Aliás, também tenho a mesma postura ao ouvir certos intérpretes como Milton Nascimento, por exemplo. Não quero ouvir quem quer que seja berrando na mesa ao lado; quero a voz límpida e emocionante do grande cantor e compositor.

Gente como André Rieu dispensa a sisudez do músico erudito para deitar e rolar no universo pop. O maestro se diz popstar, gosta da idéia e alimenta seu público com atitudes simpáticas; por exemplo, sempre canta uma canção do país onde se apresenta e a grande dúvida de alguns amigos, ingresso garantido para as apresentações brasileiras é se ele irá cantar Villa-Lobos ou Tom Jobim. Pode ser Carlos Gomes, afirma animada uma grande amiga.

O maestro é irreverente, brinca com seu público e, este, dança e canta com emocionada e esfuziante participação. André Rieu diz que “O importante é você deixar falar seu coração”; isso, a gente sabe, é um risco danado, porque coração exagera, derrama, exaspera; tomadas pelo coração as pessoas desatinam. Para desespero dos críticos eruditos, essas apaixonadas platéias desafinam, perdem compasso, atravessam, erram tudo e… são felizes! E quem pode impedir alguém de ser feliz?

As pessoas são felizes e alguns críticos estão falando mal delas, do público de André Rieu, com cada adjetivo! Aí, não dá! O pior crítico é aquele que determina o que o artista deve fazer. Se os artistas seguissem tais críticos, teríamos ido além das pinturas rupestres? Artista faz o quer; se o crítico ainda não aprendeu isso, vai ficar rosnando sozinho no canto, no máximo com o apoio de “artistas” que não vão além de um concerto, quanto mais de dezoito! E até onde os registros permitem confirmação, esses críticos não são guardiões da obra de compositores que não criaram para deuses, mas para seres humanos. Todavia, irão chiar muito; enquanto isso, amigos de Uberaba, de Santo André, de Goiânia e milhares de outras pessoas que não conheço lotarão o Ibirapuera. Que tenham um bom espetáculo!

.

Bom final de semana.

.

Trinta e dois janeiros com enchentes

Ouro Preto ameaçada, assim como Itabirito e mais de cem outras cidades

Cheguei por aqui, na Grande São Paulo, em 1979. Vim para o Seminário dos Padres Somascos e fui estudar filosofia no Mosteiro de São Bento. Nossa casa ficava na Vila Luzita, em Santo André; levei um tempo para diferenciar cada cidade, incluindo a capital. Era tudo uma imensa e atordoante megalópole.

Das primeiras coisas que percebi na gente simples, que vivia no mesmo bairro, era o hábito de procurar os padres diante de qualquer necessidade. Era ainda a época dos Governos Militares e o povo sentia-se mais seguro nas igrejas que nas delegacias. E foi um pedido de socorro que me levou, pela primeira vez, a enfrentar as consequências de uma enchente.

Era meu primeiro janeiro na região. Uma noite de chuva intensa e fomos chamados a prestar socorro para famílias que tiveram suas moradias destruídas em um desabamento. Era lama misturada com restos do que havia sido um lar; cacos de vidro, madeira, fotos, material de cozinha, peças de roupa, remédios, vasos com flores e lama, tudo enlameado e sabe-se lá quanto mais estava soterrado.

Em um espaço, com barro cobrindo tudo, estavam concentrados bombeiros, médicos e populares. Faziam um trabalho meticuloso sob o olhar perturbado de algumas mulheres e um homem. Ali, soterrados, estavam um bebê de seis meses e outro garoto, com quatro anos de idade. A imensa camada de barro, ainda bastante úmido, deixava evidente a impossibilidade de sobreviventes. As mulheres e o homem aguardavam a retirada dos corpos.

E desde então tem sido assim. Em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo assim como em muitos outros lugares. Enquanto escrevo este texto dou uma “sapeada” em dois sites e escolho, aleatoriamente, algumas manchetes:

GOVERNO PROMETE RECURSOS PARA ESTADOS E MUNICÍPIOS QUE ELABORAREM PROJETOS DE DEFESA CIVIL

OBRAS NÃO FORAM SUFICIENTES PARA DIMINUIR RISCO DE DESLIZAMENTO DE ENCOSTAS EM NOVA FRIBURGO, AVALIA CREA-RJ

SOBE PARA 66 O NÚMERO DE CIDADES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA EM MG

Minha Minas Gerais ameaçada. Meu Estado com 119 municípios afetados. Quantos deslizamentos, quantos moradias destruídas? E lá se vão 32 janeiros desde o primeiro que teima em não sair da minha memória.

Ouro Preto, tão cara a todos nós! Neste blog queria escrever sobre o Barroco mineiro, as obras de Aleijadinho, a música dos tempos coloniais e de agora. Lembrar a poesia de Alvarenga Peixoto e Tomás Antonio Gonzaga e com eles reverenciar Bárbara Heliodora e Marília de Dirceu. No entanto, vejo ruas de Ouro Preto destruídas pelas enchentes, casarões desabados, a calamidade instaurada.

Não cuidamos direito do nosso patrimônio histórico muito menos das nossas famílias menos favorecidas. Naquele distante janeiro acolhemos, por um pequeno período, as famílias que perderam suas casas. Vi de perto o pavor da mãe que perdeu seus dois filhos. Dias depois, o tempo amainado, as famílias voltaram para o morro e teimosamente reconstruíram suas moradias.

Estou em São Paulo, venho de Minas. Durante a tarde de hoje elaborei três listas que concluem este texto. Nas duas primeiras os governadores dos dois estados, os Partidos Políticos pelos quais foram eleitos. Na terceira lista os nomes dos Presidentes brasileiros desses últimos 32 anos. É ler e refletir.

Governantes viajam de avião; não passarão pela estrada de Ouro Preto
São Paulo e Minas: em comum os mesmos Partidos.
Os partidos de antes responsabilizam o atual que volta as acusações ao passado

O mínimo a ser feito: lembrar e refletir sobre quem decidiu para onde e para quem foram destinadas as verbas que não sanaram o problema das enchentes.

O lar só é lar quando regressamos

Domingo de tempo duvidoso, quando houve sol, chuva, sol, templo nublado… Logo quando liguei o computador descobri que havia sido acarinhado pelo meu amigo Nei Rozeira com um vídeo sobre Minas Gerais. Convido a que deixem o som rolar enquanto leiam. O texto ficará melhor, garanto!

A música é deliciosa, a letra é pra fazer sonhar e as imagens, bem, as imagens que emergem em minha mente são outras. Bem outras. E a primeira, vem de há bastante tempo, quando Nei e eu estivemos em Uberaba, visitando minha família.

Valdo Resende
Com meu amigo Nei, em Uberaba. Tempo, tempo, tempo, tempo...

Nei Rozeira escrevia para um jornal interno da empresa onde trabalhava, em São Caetano do Sul, na década de 1980. Decidido a seguir carreira teatral após experiências em Uberaba e uma primeira montagem em Santo André, também no Grande ABC, foi em São Caetano a estréia do meu primeiro trabalho com o Grupo Caroço. Escrevi e dirigi uma peça chamada “Os Pintores” e foi Nei Rozeira o primeiro a escrever um texto crítico sobre um trabalho meu.

Nossa aproximação ocorreu através de um ator, que trabalhava na mesma empresa além de atuar na peça, e tornamo-nos amigos. Eu chegava de Minas e, de origem humilde, não tinha acesso ao universo em que meu novo amigo transitava. Pode parecer banal para a realidade atual, mas uma câmera de vídeo, por exemplo, era praticamente um objeto de outro mundo. Um mundo que era o do meu amigo. E nem sei se ele sabe o quanto significou, na minha vida, ter visto cenas daquela peça, filmadas por ele.

Wilson de Oliveira
Pouco depois, com Wilson de Oliveira

Na tal peça havia a participação de um jovem ator de Uberaba, Wilson de Oliveira, o Licinho. Na foto acima, estamos na casa de meus pais e fomos fotografados pelo Nei. Vale citar este fato pela presença do meu novo amigo em Minas Gerais e pela vinda de um mineiro, o Licinho, mesmo que por pouco tempo, tentar viver em São Paulo. Licinho não ficou, voltou para Minas, para o seu lar e para formar um novo lar com Tânia; estão felizes. Fiquei e percebo, com toda a clareza, que Nei foi um, entre pessoas especiais, dos que contribuíram para que São Paulo se tornasse o meu lar.

Conheci a noite paulistana passeando com Nei, assim como aprendi a degustar a culinária japonesa e a fartar-me nas cantinas italianas. Fizemos incontáveis incursões pelo chamado Centro Velho, pela região da Paulista, visitamos cidades próximas. Uma das mais profundas amizades, daquelas em que o amigo é confundido com irmão; amizade em que tudo é confidenciado; que, em qualquer circunstância, os indivíduos fazem-se cúmplices.

Hoje Nei está no litoral e eu aqui em São Paulo. Tanto tempo depois, nos vemos menos do que gostaríamos, mas aprendemos a aceitar a vida com suas dificuldades, suas impossibilidades momentâneas. A foto que está acima, onde estou com meu amigo Nei, recuperei em Uberaba, junto a outras fotos, nos guardados de minha mãe. Família.

Estranhas coincidências; hoje de manhã peguei um texto de Agata Christie e, de cara, li o seguinte: “A vida em viagem é da essência do sonho. É algo fora do normal e, no entanto, faz parte da nossa vida. Pode acontecer algo aborrecido, tal como enjôo, a saudade de alguém que amamos.” Como se diz no cotidiano, essa frase “me pegou” e tornou-se mais forte quando vi o vídeo sobre minha querida Minas Gerais, enviado pelo super amigo de tantos anos.

Como mineiro, fiquei matutando sobre as razões de certos acontecimentos. Agata Christie, em suas memórias, afirma que “o lar só é lar quando regressamos”. A frase martelando na cabeça enquanto via as imagens enviadas pelo meu amigo, sobre um lar que ficou lá, em um tempo que torna-se nebuloso, distante e modificado pelas nossas limitações em fixar exatamente aquilo que vivemos.

É freqüente creditarmos maravilhas ao passado; “e o lar só é lar quando regressamos”. E o regresso não precisa ser físico; pode ser via fotografias esmaecidas, amareladas; pode ocorrer na memória tendo uma canção como ponto de partida. O tempo é implacável e o lar que eu tive está desfalcado, assim como o lar de meu amigo Nei Rozeira também está. Não importa; temos a memória, temos o afeto, temos nossa grande amizade. Em comum temos um patrimônio incomensurável, com tudo o que representa para o coração brasileiro essas abstrações reais, denominadas São Paulo e Minas Gerais.

… Poetas de doce memória

Valentes heróis imortais

Todos eles figuram na história

Do Brasil de Minas Gerais,

Oh, Minas Gerais,

Oh, Minas Gerais,

Quem te conhece

Não esquece jamais.

 

Bom feriado para todos!

%d blogueiros gostam disto: