Tags

, , ,

O bom de tudo é que não foi programado. Nenhuma instituição pública ou privada determinou o fechamento da Avenida Paulista nestas dias que antecedem o Natal e o Ano Novo. Os paulistanos abandonaram suas casas, deixaram a televisão com seu frequente sensacionalismo barato e com irmãos, amigos, filhos, mães, foram para a Paulista. Nesse Natal conquistamos uma avenida!

Paulistas trocam catástrofes televisivas pelas luzes da Paulista

É bem verdade que as empresas colaboraram, assim como o poder público, decorando os edifícios e prédios para as festas. Rendendo-se às evidências, fecharam o trânsito na Paulista. A festa ocorre desde há muito e os congestionamentos na avenida sempre aumentam neste período do ano. Ainda ocorre de, sem descer do carro, diminuindo a velocidade, o cidadão admirar o trabalho de decoradores, vitrinistas e artistas plásticos. Isso durante a semana. Agora mudou!

No dia-a-dia os congestionamentos persistem; motoristas e passageiros observam.

Neste 2011 o paulistano rendeu-se ao trabalho dos decoradores da avenida e abandonaram suas máquinas. Sem perceber, estão criando não uma data, mas todo um período em que a Paulista é do ser humano e não de motores poluentes de carros, motos e ônibus. Ontem, conversando com um gerente de uma rede hoteleira, ele comentou o aumento dos negócios. A Paulista tem como maiores atrações o Réveillon e a Parada Gay. Agora, são semanas, principalmente nos finais de semana, que a Avenida é tomada pela população, criando as tais oportunidades de negócios, mas fundamentalmente tornando a cidade mais humana.

Decoração natalina: o desafio de renovar-se ano após ano

Todas as tribos, todas as idades, a cidade representada na Avenida. Uma grande festa sem música barulhenta, sem álcool, sem comilança. A população reaprendendo gentilezas, cordialidades; tudo para que um local possa ser visto, um efeito compartilhado, algo belo possa ser fotografado. Assim é, penso, uma festa de Natal e, na Avenida Paulista, o Espírito Natalino acontecendo.

Feliz Natal, São Paulo!

Nas ruas transversais, nas paralelas, muito congestionamento. Quase silencioso; um ou outro desavisado aciona a buzina, acelerando tensamente. A maioria permite que as pessoas possam atravessar, tranquilamente, na faixa de pedestres. Depois falam que a cidade é desumana! Neste Natal, em vários locais e principalmente na sua principal Avenida, o paulistano esbanja humanidade, gestos fraternos, assinalando que a cidade é do ser humano e que nela ele pode passear tranquilamente, como se em um velho footing da São Paulos dos lampiões de gás.

Feliz Natal, São Paulo!