Tags

, , , , ,

A vida é o fio do tempo

No momento em que aguardamos a grande festa, quando enredos e mais enredos estão sendo sonhados, chega o inesperado, o incerto, o incômodo. O mundo ameaçado em desenredo. Edifícios caem, a polícia baiana em greve, o cantor está morto…

Por toda terra que passo
Me espanta tudo o que vejo
A morte tece seu fio
De vida feita ao avesso… 

Era pra ser volta às aulas, carnaval. Motivos para alegria, contentamento. E para ficar bem claro que o mundo não é aquele visto pelo “jogo do contente”, de Pollyana, que se somam outras mazelas como a greve dos bombeiros no Rio de Janeiro, a Argentina volta a reivindicar as Malvinas, que ingleses teimam em chamar Falklands e, para garantir a soberania, chamam a atenção da imprensa enviando para as ilhas geladas um príncipe desocupado.

O mundo todo marcado
A ferro, fogo e desprezo
A vida é o fio do tempo
A morte é o fim do novelo… 

Quando bem criança, pensava nas soluções de tudo a partir do poder de meus pais. Lá, em Minas, um desenredo desceu pesado sobre minha adolescência e, praticamente, não tive escolha:

Ê, Minas
Ê, Minas
É hora de partir
Eu vou
Vou-me embora pra bem longe… 

Como matuto, creia no que escrevo: – To triste não! To ensimesmado. Triste pela morte e pelo enterro para mais tarde. Apreensivo com o carnaval dos baianos, dos cariocas e, empoleirado neste apartamento, sem vocação para ave, teimo em recear – mesmo que de bobeira – que essa coisa caia sobre minha cabeça. Já pensou? Eu, perdido em escombros feito a enfermeira lá em São Bernardo do Campo?

A cera da vela queimando
O homem fazendo o seu preço
A morte que a vida anda armando
A vida que a morte anda tendo… 

Agora que não tem Minas pra voltar – Tenho Minas dentro de mim! – resta outro desenredo para o enredo turvo desses dias. E é com os versos de desenredo da canção de Dory Caymmi e Paulo César Pinheiro que me defendo de tanta coisa ruim. Sim, tem muita coisa incomodando, muita coisa ruim…

Mas quando eu chego
Eu me enredo
Nas tranças do teu desejo 

Sei que não consigo solucionar o mundo; tramas e tramóias estão muito além de minha parca compreensão. Sou só um simples mineiro perplexo nesse mundão de labirintos de interesses, de motivos turvos.

Mas quando eu chego
Eu me perco 
Nas tramas do teu segredo 

Se a sorte desanda com calor acima, frio abaixo, com greves, mortes, desabamentos impensáveis, resta a vontade de amar o mundo, de solucionar a vida. Tudo fica simples, tudo é fácil, e penso sempre que a humanidade seria outra se todos os  indivíduos pudessem cantarolar assim:

Mas quando eu chego
Eu me enrosco
Nas cordas do teu cabelo 

Se você chegou até aqui, ouça a canção. O nome é esse mesmo, Desenredo. O Edu Lobo canta; o Boca Livre também. Preferi o registro feito pela Nana Caymmi. Ouçam! Essa canção sempre me lembra que os problemas passam e se verdadeiramente amo – algo ou alguém – a vida está garantida. É um amor, ou uma vida assim, que sonho pra todo mundo.

Ê, Minas

Ê, Minas
É hora de partir 
Eu vou
Vou-me embora…