Tags

, , , , , , , , , ,

Valdo Resende companheiro de viagem

O instante vai e a paisagem torna-se turva

Lembrança desfocada como a foto tirada pela janela do carro em movimento.

O vazio vence a excitação, já que o velho cotidiano toma conta;

Antes que vença, ainda recorremos a fotografias, retendo o recente vivido.

Brinco com o garoto que, cúmplice do tempo, já ostenta 13 anos e diz que é rapaz.

Falo com o afilhado que, na minha mente, será sempre o menino:

– Olha o Pão Doce, que lindo!

Ele sorri, olhando-me como se olha ao parvo. Pão Doce…

Antes que eu repita a expressão noto novo brilho, do menino que é rapaz.

Um acordo tácito é estabelecido sem documentos ou registros:

O Pão Doce é muito bonito!

.

Férias são sonhos plenos de imagens fugidias, múltiplas, logo esmaecidas

Ingressos, recibos, cartões e fotos, um ou mais cacarecos são lembranças

E a roupa suja para a lavanderia é realidade, golpe fatal do fim da viagem.

.

Desse recente momento ficará o límpido olhar de Antônio

Indiferente à ostentação do Barroco; ignorando teorias artísticas no MAR

Mantendo a paciência com as portas fechadas da Daros e do Museu do Índio

Tudo aparentemente esquecido atrás do sorvete no final do dia.

,-,-,-,-,

 

SP/Inverno de 2013