Tags

, , , , , , , , , , , , ,

Quarto dos cinco textos do projeto Arte na Comunidade 2 publicados neste blog, “O ataque dos Titanossauros” faz referências aos sítios arqueológicos do município do Prata, em Minas Gerais. A intérprete da história foi Lilia Pitta e as imagens são de THANERESSA LIMA e de arquivo pessoal. Havendo interesse em reproduzir o texto ou interpretá-lo, peço a gentileza da citação da origem.

Organizado pela Kavantan & Associados, o projeto Arte na Comunidade 2 foi patrocinado pela Alupar e Cemig, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e contou com o apoio das prefeituras de Ituiutaba, Canápolis, Monte Alegre de Minas e Prata.

O Ataque dos Titanossauros

Original de Valdo Resende

 (O CONTADOR ENTRA EMPURRANDO SUA MALA-BIBLIOTECA. ENQUANTO PREPARA O AMBIENTE PARA CONTAR SUAS HISTÓRIAS, ABRE A MALA PARA SI, PROCURANDO OCULTAR O INTERIOR DA MESMA. RETIRA UM BANQUINHO ANTES DE COMEÇAR A FALAR)

LILIA 1

Lilia Pitta em foto de Thaneressa Lima (Divulgação)

– Um banco! Tenham sempre um banquinho na bagagem. Eu que já andei por meio mundo já sei que o mundo não vai terminar em barranco. É… Já ouviram essa? Que todo preguiçoso gostaria que o mundo acabasse em barranco para poder viver sentado? Eu não sou preguiçoso. Acontece que eu fico cansado. Como o mundo não vai acabar em barranco eu optei por carregar um banco! (RETIRA DEMAIS OBJETOS DA MALA, APRESENTANDO-OS AO PÚBLICO)

Senhoras e senhores, meninas e meninos do Prata! Meu nome é Adélia Drummond Sabino De Andrade! Muito Prazer! Estou encantada e feliz com a presença de todos. Tenho orgulho em apresentar a todos vocês o meu maior tesouro: Minha biblioteca! (PEGA UM LIVRO) Não sou dona das riquezas do Egito, mas conheço todos os faraós, sei a função de cada pintura, cada pirâmide, cada templo! (PEGA OUTRO LIVRO) Também domino as vidas de gênios, de reis, de príncipes e rainhas das mil e uma noites. Domino a capacidade de imaginar e por isso vi passando, diante dos meus olhos, um por um dos quarenta ladrões de Ali Babá e sei reconhecer, de longe, um cavaleiro da corte do Rei Artur! (PEGA MAIS UM LIVRO)… Neste livro aqui é que aprendi sobre este simpático bichinho (FOLHEIA O LIVRO, ANTES DE PROSSEGUIR)…

Para todos os presentes nesta linda praça isto é um dinossauro. Simples assim. Mas, não é! Não é mesmo! Não é de jeito nenhum! Saibam que este bichinho, se encontrado por ai, vai medir até 15 metros de comprimento e pode pesar até 20 toneladas. Guardem esse nome: Titanossauro. Meu amigo, Benedito, nunca esqueceu o nome desse grande quadrúpede herbívoro. E eu vou contar a vocês porque meu caro Benedito, o Ditinho, nunca mais esqueceu tudo isso.

LILIA 7

No topo da Serra Seio de Moça, o Morrinho, está a imagem de Nossa Senhora do Carmo (foto arquivo pessoal)

Benedito, o Ditinho, era um garoto que gostava de brincar ali na Praça Juscelino Kubitschek; aqui, no Prata. Um menino levado; como todo menino! Havia horas em que era bonzinho e desde sempre acreditou que Nossa Senhora do Carmo velava por ele. Foi a mãe do Ditinho que ensinou o menino a olhar ali, para o Morrinho, onde está a imagem da santa tomando conta de todo cidadão pratense. Ditinho habituou-se a olhar sempre na direção do Morrinho para… Contatar a santa! Pedia para a aula acabar logo, já que tinha papagaio pra soltar e o vento tava bom. Ditinho não pedia pra santa para ajudá-lo quando caçava passarinho. A mãe dele ralhava e ameaçava uma surra de vara se ele matasse o bichinho. Ditinho não se esquecia da mãe dizendo: “Olha aqui, Benedito! Deixe os passarinhos em paz. Já acabaram com muita mata, mudaram o ambiente com tanta lavoura e você… Você ainda quer matar os coitadinhos? É pecado! São Francisco não gosta. Nossa Senhora há de castigar!”

O menino deixava os passarinhos em paz. Saia com os amigos para buscar um bom pedaço de rio para tomar banho e houve uma época em que os meninos aproveitavam os passeios no campo para procurar pedra polida, pedra lascada. Tudo porque a avó de Ditinho, Dona Dinorá, muito simpática, contara aos meninos que a região tinha sido povoada por índios caiapós, que viveram por aqui muito antes da chegada dos bandeirantes. A avó Dona Dinorá ensinava e alimentava a imaginação dos meninos; a mãe do Ditinho ficava danada quando ele chegava dessas expedições, todo sujo, às vezes rasgado, com uma capanga cheia de pedras planejando mostrar para a professora. Essa vovó Dinorá, pensa a mãe; fazer o que, ralhava com o menino! Não precisava sujar tanta roupa!

“Olha aqui, Benedito! Eu vou fazer você lavar essas roupas imundas! Você acha que vai achar pedra lascada, Benedito! A terra já foi arada tantas vezes! Você fica pensando que é coisa antiga, parece coisa velha, mas é coisa mexida por gente que ainda tá viva!”

O menino não ligava. Sabia que as pedras que guardava eram material para paleontólogo, arqueólogo! Ditinho aprendeu com a avó Dinorá que no Prata haviam muitos dinossauros, que os ossos dos antigos bichos que viveram por aqui já haviam virado pedra.

LILIA 6

Detalhe da Praça Juscelino Kubitschek, em Prata, Minas Gerais. (foto arquivo pessoal)

Um dia a avó de Ditinho, foi fazer um pic-nic com ele e os amiguinhos na Praça Juscelino Kubitschek, bem ao lado daquela escultura de dinossauro e começou a falar nos bichos, especificamente nos Titanossauros; aconteceu que nesse tal dia a imaginação do Ditinho já tinha saído da praça e levado o menino lá pra serra Seio de Moça, o Morrinho. Lá do alto, Ditinho via o cerrado povoado de dinossauros, titanossauros e todos os seus parentes! Imaginação é uma coisa muito boa. Leva a gente longe e nada melhor do que os livros para estimular nossos pensamentos. Mas, naquele dia, os doces e a conversa da avó Dinorá foi tão boa que Ditinho nem percebeu que todos esses animais viveram por aqui há 80 milhões de anos. Viveram, não vivem mais. Na cabeça do menino já havia imagens dos Titanossauros tomando das águas do Rio da Prata, comendo as folhas verdinhas das árvores banhadas pelo rio.

Depois de brincar e sonhar, voltando pra casa, Ditinho olhou na direção do Morrinho e pediu para a santa proteger a cidade. Vai que apareça um Titanossauro, com seus 18 metros de comprimento! 18 metros! Ficou matutando, matutando… Chegando em casa viu que a mãe estava com um vestido verde. O menino implorou para que ela trocasse de roupa. “– Mãe, vai que um dinossauro confunde a senhora com um monte de folhas! É um perigo!” A mãe ficou uma fera! “Olha aqui, Benedito! Vou te mostrar um monte de folhas! Estão no jardim. Você vai capinar o jardim para aprender a não confundir mãe com monte de folhas. Quero aquilo lá limpinho! Vai, Benedito!”.

O menino nem ligou para a bronca da mãe. Limpar jardim não é castigo. Mas quando estava fazendo a tarefa, tomou o maior susto. Viu um calango, enorme, uma lagartixa gigante que, de repente, poderia ser um filhote de dinossauro! O menino olhou para os lados com receio, desconfiado e para garantir a simpatia de uma possível mamãe dinossauro tratou de não matar o calango.

LILIA 3

Lilia Pitta em foto de Thaneressa Lima(Divulgação)

Anoiteceu e naquela noite Ditinho demorou a dormir, pensando nos Titanossauros do Prata. O sono pesou e o menino acabou adormecendo quando, pouco depois, acordou com barulhos estranhos (FAZ OS SONS QUE O GAROTO ESTARIA OUVINDO). Era um bicho tentando abrir a porta… arranhava, arranhava cada vez mais forte. Um terror. Ditinho não quis nem acender a luz, com tanto medo. Os barulhos na porta continuavam e a esses somaram grunhidos, grasnados, um som horroroso. “– Minha nossa senhora do Carmo”, rezava o menino.

De repente, do outro lado da janela, uns uivos, uns gemidos, uma lamentação enlouquecida ( FAZ O BARULHO). Ditinho, assustado com os movimentos na porta ficou mais aterrorizado ainda com mais esses sons que vinham da janela. Então aconteceu que o barulho do outro lado da janela aumentou ao mesmo tempo em que a porta, sendo forçada pelos arranhões pesados ameaçou ceder. Antes que o monstro entrasse no quarto ditinho entregou os pontos, aos berros: “- Mamãe! Socorro! Socorro Mamãe!” A mulher entrou no quarto e o menino pulou no pescoço dela, abraçando-a e buscando proteção. Tem um dinossauro ai, tem um dinossauro ai! Repetia aos soluços. Estava arranhando a porta. E tem umas coisas lá fora. E a mãe, entendendo tudo, falou carinhosamente.

“Olha aqui, Benedito! Os dinossauros morreram; não existem mais. A natureza é assim, vai se transformando e com ela o homem evolui. Os homens também transformam o mundo. As mudanças ocorrem, há perdas e ganhos, mas nessa caminhada o que prevalece é o bem do homem. Sumiram os grandes dinossauros, mas aprendemos a plantar grandes lavouras que nos alimentam e também aprendemos a construir barragens em rios; assim temos luz. Você precisa ler mais, estudar mais. Quanto aos barulhos, lá fora, são gemidos dos gatinhos, namorando. Eles namoram assim. E veja ai, o dinossauro nos seus pés!”

Ditinho, ainda com medo, encolheu-se, mas já todo sem graça. O cachorrinho, de nome Sheik, lambia alegremente os pés do menino, abanando o rabo alegre, já esquecido de ter sido deixado fora do quarto. Foi a única vez na história do Prata em que um cachorro foi confundido com um dinossauro. Naquela noite, a mãe continuou no quarto contando as histórias dos Titanossauros do Prata, que viveram há 40 milhões de anos. Eram as mesmas histórias da avó, Dona Dinorá; mas, o menino, ah, o menino ouvindo a voz doce da mãe, dormiu tranquilo. Boa noite, Benedito!

LILIA 2

Lilia Pitta em foto de Thaneressa Lima (divulgação).

 

(O CONTADOR AGRADECE E, FECHANDO SUA MALA, SAI DE CENA).