O CANTOR DA MADRUGADA

A próxima live do Trem das Lives, próximo domingo, 18h será no Instagram . Acesse e siga a página para ver e conhecer melhor NANDO CURY, escritor, autor do conto abaixo que mostra de maneira sensível as mudanças ambientais levando a novas situações de relacionamento entre o homem e os pássaros.

O CANTOR DA MADRUGADA

O belo canto melódico, que atravessa a minha janela fechada, parece ser de um sabiá laranjeira, aquele com a barriga cor de laranja. O pássaro é lindo, seu canto também. Mas, raios, o que está fazendo à estas horas da madrugada dentro do meu sono mais profundo?

Tenho um ouvido muito sensível. Desde que mudei pro meu apartamento, há 25 anos atrás, adotei o costume de, em algumas noites, utilizar o protetor auricular, aquele par de pequenos cones da 3M, por coincidência da cor laranja. Esta prática começou na madrugada de terça pra quarta, por causa da montagem da feira na minha rua. E, tem se repetido em algumas outras ocasiões noturnas, para tentar barrar possíveis sons altos, duradouros e repetitivos. Como uma sirene que dispara ou o canto de pássaros noturnos.

Eu andava mesmo chateado, implicado com o canto do sabiá. Culpando-o por cantar tão alto, tão demoradamente, tão repetitivamente. E não me deixar dormir. Mas, nesta semana resolvi investigar por que alguns tipos de pássaros, como ele, cantam de madrugada. E porque também não dormem.

O sabiá é um cantor nato. Descobri que lá no terreiro do interior ele canta mais cedo, quase no finzinho da tarde. Mas quando fugiu do terreiro e veio morar num galho de Sibipiruna de uma rua da grande cidade, enfrentou dificuldades para cantar. Seu canto é um instrumento de sobrevivência. Precisa aparecer forte para assustar inimigos, chamar a atenção dos seus parentes, daquela fêmea que pode ser a mãe de seus filhos. Na cidade grande, cantar de dia não dá pro sabiá. Ele tem a concorrência forte de muitas fontes de barulho, como o trânsito, equipamentos que geram energia, lavam carros, pets, cortam árvores, ferragens e outros materiais de construções.

Lá no interior, lá no meio do mato fica tudo escuro pro sabiá dormir. A cidade grande não fica escura nunca, mas é menos clara e menos barulhenta à noite, mais ainda na madrugada. Por essa razão, ele também tem insônia, atrasa o seu canto para a madrugada. E aí trava uma verdadeira disputa de cantoria com os pássaros da mesma espécie. Dizem os ornitólogos que o sabiá macho que cantar mais alto, mais rápido e com maior quantidade de notas, é aquele que tem mais chances de conquistar as sabiás mais bonitas, dengosas e parideiras.

Então, para completar minha curiosidade, resolvi analisar a frase melódica do canto do sabiá laranjeira. Acho que, é possível compará-la ao arpejar de um violino numa música clássica. Em alguma dessas noites, mais quentes, assim que ouvi-lo, estou pensando em levantar da cama e ir pra sacada tentar um dueto com ele.

Texto original publicado no perfil do Facebook. Para acessar, clique aqui e conheça outros textos do autor.

SEMÔNICA é o podcast de Nando Cury. Entre clicando aqui e ouça textos narrados pelo próprio autor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s