Tags

, , , , , , , ,

A bicicleta oferecida aos alunos dos CEUs de São Paulo

Em breve poderemos ter muitos novos ciclistas pelas ruas da cidade. Soube da novidade através de Carlos Vitor, meu aluno, que será um dos monitores que formarão crianças ciclistas na cidade de São Paulo.  Os professores ensinarão crianças a andar de bicicleta e, além de equilíbrio e pedaladas, serão dadas aulas sobre normas de trânsito e manutenção das próprias bicicletas. O melhor de tudo, em minha opinião, é que cada turma formará um comboio, acompanhada pelo monitor, percorrendo o trajeto de casa até a escola.

O projeto municipal será implantado em todos os CEUs, os Centros de Educação Unificada. No final de 2012 cada um, dos 45 CEUs tem como meta formar 100 alunos, totalizando 4500 novos ciclistas pela cidade. O projeto tem o que há de inovador em termos de educação, cidadania e sustentabilidade; as bicicletas serão de bambu e cada comboio terá uma ciclo-rota, definida e comunicada à população local, facilitando a segurança dos pequenos ciclistas, devidamente uniformizados e, portanto, facilmente identificados.

É um orgulho para nossa São Paulo: a primeira cidade a ter uma escola desse gênero. Baseado em experiência dinamarquesa – de lá veio o especialista em mobilidade urbana Mikael Colville-Andersen, o formato da escola paulistana é mundialmente inédito. Andersen é o autor da proposta “Copenhagenize”  “para inspirar as cidades de todo o mundo a se tornarem amigas dos ciclistas, como é a capital da Dinamarca, onde 37% da população (500 mil pessoas) usa a bicicleta como meio de transporte todos os dias” (clique aqui para ver matéria sobre o assunto). São Paulo começa com milhares de crianças e, tomara que a moda pegue, teremos uma cidade mais humana, mais limpa.

Eu adoraria ir e voltar de bicicleta para o trabalho. Como saio por volta das 23h da universidade, tenho medo. A segurança da cidade precisa melhorar para que possamos trafegar sem comboio. O respeito ao trânsito também. Venho na contramão da maioria dos meus alunos e assim, vou adiando meu retorno ao simpático veículo, pelo qual sou apaixonado desde criança.

Papai tinha uma bicicleta antiga, adquirida de vendedores de peixe da cidade de Santos. Era quase toda de ferro e acompanhou meu pai muito antes de eu nascer, permanecendo em nossa família até há pouco tempo. De bicicleta fui, incontáveis vezes, para os arredores da cidade de Uberaba. Na minha adolescência, Amoroso Costa era um bairro distante – o nome via de um posto de parada da Companhia Mogiana de Estrada de Ferro; ia até lá e gostava de ir além, em um local que chamávamos Rodolfo Paixão. A estrada era de terra e nesse local havia um cruzamento que, hoje, é a Avenida Nossa Senhora do Desterro, bastante urbanizada.

Fafá, amiga de sempre, foi minha companheira de algumas aventuras com nossas bicicletas. Saíamos passeando pela região e, por algumas vezes, abandonamos as estradas em aventura doida, pedalando sobre capim, descendo pirambeiras e atravessando córregos. Inventamos qualquer coisa que hoje denominam esporte radical, bike não sei das quantas. Nós apenas nos divertíamos. As cicatrizes em nossas pernas eram as testemunhas das viagens juvenis.

Já em São Paulo, início dos anos 80 e morando na Vila Mariana, gostava de pedalar saindo da Rua Dona Júlia, onde ficava minha casa e ia até o final da Avenida Paulista. De lá, voltava, passava pela Vila Mariana indo até ao Jabaquara. Tudo isso de madrugada. Era delicioso e um passeio e tanto no verão sempre quente. Depois, a violência foi aumentando e o receio do perigo levou-me a abandonar o hábito.

Carlos Vitor: Know-how até para pilotar carrinho de supermercado

Penso em voltar a pedalar. Disse ao Carlos Vitor, na boa, que fiquei com inveja do maravilhoso emprego que ele conseguiu. E estou torcendo muito para que tudo dê certo. Quero que São Paulo seja a Copenhagen sul-americana. Espero que todo o país imite a cidade, criando seus próprios projetos, pensando em escolas de bicicleta que atendam aos hábitos e à geografia locais. Cidadãos saudáveis, diminuição de poluentes e melhoria no trânsito. Lamento que alguns, nesta segunda-feira, lerão este post após um congestionamentozinho básico antes de chegarem ao trabalho. Mais um bom motivo para aderir, divulgar e aplaudir esta idéia.

Boa semana!