Tags

, , , , , , , , , , ,

dirceu e marilia nelson cruz

Estive relendo momentos da vida do poeta Tomás Antonio Gonzaga e de sua Marília através da obra de Nelson Cruz (Dirceu e Marília) e recordei a Lira XXXVII de “Marília de Dirceu”. “Meu sonoro passarinho” é o primeiro verso, que guardei como título entre os poemas que prefiro.

Uma antiga novela de Ivani Ribeiro, Dez Vidas, tinha Gianfrancesco Guarnieri e Maria Isabel de Lizandra interpretando o casal romântico da Inconfidência Mineira. Guarnieri cantava e provavelmente era dele a melodia colocada sobre os versos do poeta. Talvez, algum dia, ache a canção por ai, registrada por algum bom cantor. Sem a melodia, fica o poema, belo por si.

ouro preto nelson cruz

Meu sonoro Passarinho,
Se sabes do meu tormento,
E buscas dar-me, cantando,
Um doce contentamento, 

Ah! não cantes, mais não cantes,
Se me queres ser propício;
Eu te dou em que me faças
Muito maior benefício. 

Ergue o corpo, os ares rompe,
Procura o Porto da Estrela,
Sobe à serra, e se cansares,
Descansa num tronco dela,

Toma de Minas a estrada,
Na Igreja nova, que fica
Ao direito lado, e segue
Sempre firme a Vila Rica. 

Entra nesta grande terra,
Passa uma formosa ponte,
Passa a segunda, a terceira
Tem um palácio defronte. 

Ele tem ao pé da porta
Uma rasgada janela,
É da sala, aonde assiste
A minha Marília bela. 

Para bem a conheceres,
Eu te dou os sinais todos
Do seu gesto, do seu talhe,
Das suas feições, e modos. 

O seu semblante é redondo,
Sobrancelhas arqueadas,
Negros e finos cabelos,
Carnes de neve formadas.

A boca risonha, e breve,
Suas faces cor-de-rosa,
Numa palavra, a que vires
Entre todas mais formosa. 

Chega então ao seu ouvido,
Dize que sou quem te mando,
Que vivo neta masmorra,
Mas sem alívio penando.

A vida, geralmente pior que a poesia, separou o casal. Após o processo movido contra os Inconfidentes, a pena de Gonzaga foi o degredo, em Moçambique onde se casou com Juliana de Souza Mascarenhas. Já de Marília ficou o vazio de uma história perdida no tempo. Há até a dúvida se a musa foi a então jovem Maria Joaquina Dorotéia de Seixas ou uma viúva, Maria Joaquina Anselma de Figueiredo. Acima da história, os poemas; belos e imortais.

Até mais!

Obs. As imagens acima são do livro de Nelson Cruz, editado pela Cosac Naify.